Pessoas namoro serviço

Totalmente sem saber o que fazer...

2020.11.26 06:18 LukeMakki77 Totalmente sem saber o que fazer...

Bom, vamos lá
Namorei uma menina por 1 ano e 7 meses, terminamos na sexta-feira da semana passada (contra minha vontade, pois ainda gosto dela). Ela se dizia desgastada da relação após alguns leves desentendimentos entre nós e disse não estar mais interessada em mim. Essas palavras me machuram muito, pois eu sempre gostei muito dela, apesar de todos nossos problemas. Ela tem problemas de saúde, como depressão e ansiedade.
Nosso término ocorreu de forma até pacífica, em uma chamada de voz. Nessa chamada, ficamos longas horas conversando sobre o andamento da relação. Eu me dispus a resolver todos os problemas e tentar de tudo pra manter aquela relação... Mas como dito acima, ela me disse preferir que ambos seguissem seus próprios caminhos e vidas...
Nós sempre fomos muito próximos, nosso relacionamento surgiu através de uma profunda amizade no ensino médio e com o tempo nos apaixonamos. Nossa relação sempre foi muito tranquila, até que começou a pandemia...
Com a pandemia, não pudemos mais nos ver com tanta frequência, nossa solução foi encontrar algo para fazermos juntos a distância (inclusive nisso, descobri uma nova paixão, chamada League of Legends). Nós jogavamos todos os dias.
Porém,sentindo a ausência um do outro, nossa relação foi ficando mais superficial e menos emotiva. A gente se via eventualmente, mas já não era como antes...
Essa questão toda da distância e isolamento de tudo nos gerou diversos problemas, comecei a ter graves crises de ansiedade. Me tornei uma pessoa muito impulsiva. Inclusive, acabava sendo grosso excessivamente com ela, várias vezes, mesmo sem a intenção.
Isso foi desgastando a relação, mas não somente isso.
Ela foi criando novas amizades no jogo e já não passava mais aquele tempo todo longe de mim comigo. Ela, como já dito, tem problemas de ansiedade e depressão também.
Somando tudo isso, chegamos a uma situação onde a relação estava bem sobrecarregada.
Eu decidi procurar ajuda profissional e tem sido maravilhoso!
Todavia, os problemas do lado dela ainda não se resolviam e isso foi pesando, até que chegou sexta feira e terminamos o namoro (a pedido dela).
Passaram-se já alguns dias, busquei me manter bem ativo, mudei os móveis da minha casa de lugar, procurei trabalhos e cursos pra fazer e me aproximei de amigos do passado que me afastei. (Inclusive, me aproximei de uma amiga a qual já fui bastante apaixonado no ensino médio, antes da minha ex-namorada). Conversei com tudo isso sobre minha psicóloga e ela me deu total apoio e me disse estar lidando de forma bastante correta nessa situação, apesar de toda essa dor que eu sinto por dentro, afinal, ainda gosto dela.
Quarta-feira dia 25, minha ex pede urgentemente para que conversemos.
Decidi que não havia problemas e combinamos de eu ir amanhã na casa dela para buscar coisas minhas que estão lá, porém ela se sentiu incomodada, apesar de aceitar isso.
Todavia, ela pediu pra conversarmos no momento imediato via chamada. Eu aceito sem problemas.
Ela me liga chorando, dizendo que se arrependeu de tudo que me disse, que era mentira, que ela gosta sim e mim e me quer de volta. Ainda nas palavras dela "eu quero que tu cuide de mim".
Eu fiquei sem reação, eu prefiri optar por passar confiança a ela do que dar uma falsa esperança de que voltaríamos... Vou explicar:
Ela cogitou suicídio com toda essa situação...
Eu resolvi passar confiança pra ela em si mesma (o que eu tenho feito comigo)
Eu dei todas as qualidades dela, relembrei bons momentos da nossa relação e fiz com que ela se sentisse especial. Mesmo assim, não disse que ficaria com ela.
Eu admiti pra ela, estou com saudades, eu quero poder dizer que quero ficar com ela.
Mas ela magoou muito meus sentimentos e me machucou muito a forma como ela lidou inicialmente com isso.
Mas eu ainda gosto dela...
Só que eu tenho receio, ela pode estar pedindo por mim agora, mas na verdade ela só uma companhia pro momento difícil, e não por realmente me amar...
Eu aconselhei ela a buscar tratamento com um profissional e ela vai, além do mais, dei conselhos a ela sobre como ela pode superar essa "escuridão" toda que tem passado.
Eu do fundo do meu coração, desejo toda a felicidade e sucesso do mundo pra ela, mas não sei se eu sou o cara capaz disso, e com certeza eu não quero namora-la por pena.
Eu quero namorada por saber que eu a amo e ELA ELA AMA A MIM.
Mas como a saúde mental dela tá instável, não acredito que ela seja capaz de definir um sentimento por mim...
Amanhã vou na casa dela para buscar minhas coisas e ajudar ela em serviços na casa (só pra dar um ânimo)
Mas eu tenho medo de recair, estou indeciso
Eu a amo, mas não sei se devo amar
Não sei se eu realmente devo me sujeitar a esse relacionamento assim.
Estou sem saber o que fazer.
submitted by LukeMakki77 to desabafos [link] [comments]


2020.11.08 06:49 sad__cloud Uma vida amorosa e sexual bem triste. E um rapaz que me dá atenção.

*ATUALIZADO
*conta descartável
**Texto longo porém separado por parágrafos e bem escrito <3
***Talvez eu devesse postar isso no DeadBedrooms mas não me sinto com emocional para traduzir tudo para o inglês.
****Edits: concordância, erros gramaticais
*****Tudo que foi feito fora de casa foi com máscara e muito álcool em gel!
Namoro faz quatro anos. Cursamos o mesmo curso, mesma faculdade, mesma turma, mesmos colegas de sala. Ele é três anos mais novo que eu (tenho 25).
Meu namorado tem muitos defeitos. Muitos mesmo. Mas muitas qualidades também, que eu admiro e simplesmente amo. Colocando na balança, essas qualidades pareciam compensar os defeitos e decidi tolerá-los. Mas sabe quando esses defeitos aparecem com tamanha frequência e com tamanha intensidade que as qualidades simplesmente desaparecem? Então.
Moramos juntos, um cantinho alugado. Ele pediu demissão do estágio por odiar o serviço (e agora decidiu que odeia o curso também) e como recebe mesada dos pais, fica tranquilo. Eu ralo no estágio e pra dar aquela complementada na renda, comecei a vender bolos no meu bairro.
Meu namorado sempre reclamou do curso. A ponto de chorar de desespero de madrugada. Como fazemos trabalhos juntos, sempre tenho que dividir meu tempo entre fazer de fato o trabalho e consolá-lo (e nesse momento ele para a produção dele totalmente e no final eu sempre termino o meu para ajudá-lo). É o tipo de situação que nenhum conselho está bom. Nada que eu diga ajuda. Ele já me acusou de dar mais atenção aos trabalhos do que para ele. Esse ano, após uma briga colossal, ele resolveu procurar ajuda psicológica.
Sobre sexo, ele não existe mais, atualmente. E quando existe é com uma qualidade tão ruim (pra mim)... Como tirei a virgindade dele, achei que com o tempo e com a minha ajuda, ele melhoraria. Nunca melhorou. E se comento sobre algo que não me deixa feliz, ele diz que faz de tudo para me agradar e não sabe mais o que fazer pq eu sou muito difícil e fica bastante nervoso. Então desanimei de comentar qualquer coisa. Finjo que atingi o orgasmo só para ele gozar logo e terminar tudo. Quando eu o procuro na intenção de eu iniciar o ato e aí quem sabe controlar um pouco mais a situação ao meu favor, ele faz birra. Não vai continuar se eu não fizer tudo.
Faz uns seis meses que notei que ele estava me procurando bem menos e tentei criar uma situação para transarmos. Calhou de ele me falar que não sentia vontade de transar por estar se masturbando demais. Conversei sobre como uma vida sexual é importante para um casal e que seria bacana ele diminuir a frequência que ele assiste pornô (e ele assiste com muita frequência).
Eis que ele abre o celular e mostra que ele tá usando algumas fotos de usuárias do Reddit como material para masturbação. Nem cheguei a ver de que sub era pq meus olhos encheram de lágrimas muito rápido. Dei uma desculpa qualquer e fui chorar no banheiro, coisa que eu não faço desde a sexta série. Eu não sei dizer exatamente a diferença entre o pornô e uma foto, mas eu me senti humilhada como poucas vezes na minha vida.
Tenho uma amiga muito querida que, lá por março, de aniversário, me deu um vestido que eu queria muito (e que era bem caro. Meu namorado me deu uma noite frustrante de sexo). É um vestido azul que faz eu me sentir uma princesa. Como em agosto foi aniversário dela, fiz um bolo surpresa e fui entregar para ela a pé. Ela mora em um conjunto de prédios a quinze minutos (a pé) do meu cantinho. Lá fui eu, meu vestido azul e a cesta que eu uso para levar os bolos por aí. Ela tirou uma foto minha e divulgou no grupo do prédio. Viralizei!
Eu nunca vi TANTA encomenda e TANTO dinheiro aparecendo na minha frente. Chamei meu namorado para me ajudar a dar conta de tudo, prometi ensinar ele a fazer com a maior paciência.
Ele negou. E reclamou que meu cabelo andava muito feio. Meu cabelo é cacheado e eu o pinto de ruivo, então ele anda realmente um pouco judiado. Pra variar, me senti muito triste. Jurei que daria conta de todas as encomendas e com o dinheiro que sobrasse eu daria um trato no cabelo.
Dei conta? Dei. Virei noites? Sim. Gastei 1/8 do que ganhei comprando produtos de cabelo. Essas coisas são caras mas fiz minhas contas e considerei que seria uma compra prudente e que não nos afetaria economicamente no futuro. Em duas semanas eu estava amando o resultado. Me sentia mais bonita e preparei um jantar e comprei um vinho, decidida a mudar a nossa vida sexual.
Meu namorado comeu tudo correndo pois tinha um RPG marcado com não sei quem. A garrafa de vinho nem deu tempo de abrir.
Sabe o seu valor? Naquela hora eu sentia que tava valendo menos que a poeira do tapete da sala. Valendo menos que as meninas desconhecidas do Reddit.
Mas as encomendas de bolo no prédio da minha amiga continuavam. E como fiquei famosa com o vestido azul, fiz dele meu uniforme já que ia uma vez por semana lá entregar e todo mundo passou a me reconhecer com ele.
Um dia recebi um pedido de bolo de cenoura com chocolate de um apartamento Y que nunca tinha ido. Fiz tudo, como de praxe e no dia da entrega, quem me atendeu foi um rapaz com um sorriso tão imenso que eu cheguei a ficar sem graça. Quem encomendou de fato foi a avó dele, e da porta mesmo ele chamou dizendo "Vó, a moça gracinha veio trazer o seu bolo!"
Eu não sei dizer a quanto tempo não recebo um elogio. Mas o gracinha foi o suficiente pra eu me atrapalhar toda na hora de entregar o bolo. Quase saí correndo de nervoso. Atendi a vizinha do andar de cima e ela tinha perguntado se eu havia entregado no apartamento Y, pois a senhora que morava ali era amiga dela. Respondi que quem atendeu foi o neto e ela rasgou elogios, que ele era um doce de pessoa e que havia ajudado ela a instalar algumas lâmpadas na semana passada.
De setembro para cá eu entreguei bolo todas as semanas no apartamento Y. E o tal do neto, que é meses mais velho que eu, sempre estava lá para me receber. Já me convidaram para tomar um cafézinho (aceitei) e para o almoço (recusei). Semana passada, fui convidada novamente para o almoço, dessa vez pelo neto. Em um horário que a avó dele não estava em casa (não faço ideia de onde ela poderia estar nessa pandemia). Confesso que recusei para não cair em tentação.
Ontem tentei novamente uma surpresa para quem sabe transar com o meu namorado. Não deu certo. E dessa vez o porque foi que eu estou sempre ocupada e nunca dou atenção para ele. Discutimos e eu chorei, nunca me senti tão sozinha mesmo estando em uma relação. Fui dormir e ele foi jogar.
Hoje fiz mais uma entrega no apartamento Y. O neto estava fazendo faxina na casa, mas me recebeu. Quando pedi para ele segurar a cesta para que eu retirasse o bolo, ele se aproximou e colocou o nariz no meu cabelo, dizendo baixinho que eu era muito cheirosa. Eu agradeci e ele sugeriu de irmos tomar um café (em um café de fato), assim que acabasse a pandemia e que ele conhecia um ótimo lugar. Eu não aceitei e nem neguei (famoso "vamos ver hahaha"), mas voltei para casa muito abalada.
A verdade é que não vejo mais futuro para o meu relacionamento e estou exausta de me sentir sozinha dentro de um. Cansada de ser a única a tentar. Se eu tivesse uma relação sexual com o meu namorado eu não sei nem como reagiria, pois essa chateação toda me fez perder toda e qualquer atração que já tive por ele. As vezes acho que tento para no final de tudo pensar "pelo menos eu tentei".
Meu namorado foi rejeitado anteriormente por uma garota que ele amava e isso o deixou um ano de cama. Meus sogros me tratam muito bem e quase me endeusam, e as vezes acho que é por isso que ainda não tomei uma atitude. Gosto muito dos meus sogros, não quero chateá-los. Tenho medo que meu namorado fique de cama por minha causa também. Estamos tão próximos de concluir o curso que não quero me sentir responsável se ele jogar tudo para o alto caso eu termine. Não quero, caso o curso volte presencialmente, ter que encontrá-lo todo dia e ainda bagunçar nosso círculo de amizades em comum.
Por outro lado, eu me sinto tão ansiosa, tão pedinte por contato. Queria um abraço. Um beijo. Um carinho que faz arrepio. Uma noite de sexo. O cara do apartamento Y parece um sonho e pelo que sondei do condomínio, ele é tranquilo, faz as tarefas domésticas pela avó, concluiu o curso, trabalha (agora em home office) e já comentaram que ele é caidinho por mim. Sempre que faço uma entrega e ele está sozinho é um deus-me-acuda, quase um teste de fidelidade. Cada mensagem no whats pedindo uma encomenda ou perguntando que horas farei a entrega faz o meu coração bater rápido.
Me sinto errada por querer outro cara, de querer tentar uma possibilidade que pode dar muito certo. Sei que possivelmente a carência tá me fazendo fantasiar muito a situação toda, mas não consigo evitar. Não quero trair meu namorado mas não sei por quanto tempo mais aguento esse deserto de relacionamento.
Conselhos?
ATUALIZAÇÃO: Sentei essa noite e coloquei as cartas na mesa. Falei sobre como eu me sentia só, sobre ele sempre me trocar por qualquer coisa (pornografia, jogos, amigos) e que eu não vejo outra solução a não ser encerrar nossa relação.
Ele ficou mais chocado do que eu achei que ficaria e disse que nosso relacionamento não parecia ter nada de errado. Pontuei vários casos (os citados aqui no texto e outros) e ele ficou na defensiva, negando tudo ou dizendo que "não era isso". Perdi a cabeça e comecei a falar que qualquer cara que me olha na rua me dá mais atenção em um olhar do que o que ele anda me dando dentro do relacionamento.
Ele abaixou a cabeça e ficou quieto e sei que é nessas horas que eu fraquejo e volto atrás em tudo que disse. Ele me perguntou se ele nunca me fez feliz e eu disse que não era o caso. Ele prometeu mudar, mas quando nos reconciliamos várias vezes de várias outras discussões ele sempre me prometia a mesma coisa, então eu disse que não conseguia mais acreditar e nem ter mais vontade de tentar.
Ele pegou algumas coisas e chamou um Uber. Por mensagem só disse que ia para os pais dele e que não me responderia por um tempo. Ok, entendo, sem problemas.
Faz quase duas horas que minha sogra me mandou mensagem dizendo que ele chegou lá muito abatido e perguntando o que aconteceu. Eu não respondi e pra ser sincera, nem quero papo. Ainda me sinto muito responsável por ele estar mal agora, mas ele tem que aprender a lidar com isso. E eu também tenho que aprender.
Obrigada pelas mensagens carinhosas e pelo apoio de todos.
submitted by sad__cloud to desabafos [link] [comments]


2020.10.13 19:20 __hollow Quando compensa ou não reatar um relacionamento? *texto grande*

Primeira vez postando no reddit, achei este lugar apropriado, é algo que vem me atormentando e que não comentei sobre isso com ninguém mais próximo. Se você tiver tempo de ler metade de um artigo científico, então eu agradeço sua opinião (e boa vontade) ;v
Tive meu primeiro relacionamento, foram ótimos momentos que duraram cerca de 2 anos e uns 7 meses, e durante os 3 últimos meses, em 2019, minha ex passou a agir de um jeito estranho, mais reservado e digamos, menos "conectada" comigo. Sempre a via jogando e conversando com as supostas colegas online (é, ela joga games) com mais intensidade do que comigo, o que já me indicava que algo estava diferente. Éramos membros de uma igreja local (faziamos parte de uma banda de jovens e praticamente todo nosso tempo livre era reservado a isso e a alguns eventos), então, de natureza, sua família era mais rigorosa com nosso relacionamento e eram muito poucas as vezes em que conseguíamos sair juntos sem estarmos por perto deles. Enfim, ela sempre foi uma pessoa boa, muito carinhosa e era realmente uma coisa incrível poder estar do lado dela, mas muitas vezes ela se abalava com esse tipo de comportamento da família que era imposto sobre ela e eu sempre a apoiei durante esse tempo, até que, em uma das suas crises, ela simplesmente não voltou pra casa depois do trabalho e dormiu numa colega de serviço por alguns dias, até finalmente voltar e anunciar pra família que ela iria embora para morar em Curitiba (sou do RJ) e ficaria na casa de uma amiga que jogava com ela, com uma desculpa de que tinha passado e iria estudar em uma federal de lá.
Nos encontramos alguns dias antes disso acontecer e ela me explicou que simplesmente queria se afastar da família dela e se aproveitou dessa situação da universidade como um gancho pra poder ir embora. Insistiu em manter um relacionamento a distância, coisa que eu não concordei e recusei de imediato e depois de diversas tentativas falhas de convencer ela a ficar, passamos o resto da noite um com o outro. Foi um choque pra mim, afinal, depois de tanto sacrifício que nós fizemos durante esse tempo, depois de tantas coisas planejadas, ver tudo se desmoronar. Eu não quis submeter ela a algo que ela não queria, portanto, eu somente permiti que ela fosse embora. Às vezes ainda penso que foi uma decisão estúpida...
Enquanto nos despediamos, seus olhos se enchiam de lágrimas e foi o que me fez pensar que essa decisão não era totalmente da vontade dela. Entretanto...
Meses depois, descobri que ela e essa tal amiga passaram a namorar...
É, isso mesmo.
Resumidamente, ela decidiu se aventurar com uma pessoa que ela mal sabia quem definitivamente era de verdade.
Depois dela ter ido, continuei frequentando a igreja, servindo e me prestando da melhor forma possível, mas, infelizmente eu acabei parando de frequentar pouco antes da pandemia e com o passar do tempo, perdi também a vontade de orar e simplesmente me projetei mais na faculdade e no trabalho. Embora eu esteja ocupado em grande parte do meu tempo na semana, não consigo parar de pensar nela e em tudo o que aconteceu.
Eu cortei contato com ela por volta de outubro do ano passado até meados de abril, quando ela me enviou uma mensagem pelo Discord (foi o único lugar onde eu esqueci de ter excluído seu contato, já que eu mal entrava lá) e desabafou comigo sobre como estavam as coisas e sobre como ela se arrepende e sente falta de estar comigo. Eu percebi que ela não estava bem, não estava feliz, não se sentia como antes e estava profundamente arrependida. Ela tinha fotos, vídeos e todo tipo de coisa que eu mandei pra ela guardados, e meio que ao ver aquilo, eu me senti bastante abatido. Desde então ela sempre vem procurando manter conversas em dia e me disse que quer voltar pra cá quando as coisas melhorarem com o único motivo de reatar as coisas e recomeçar tudo de novo, isso, é claro, se também for da minha vontade.
Nessa situação, eu gostaria de uma orientação, pois no fundo eu realmente quero, mas, conforme o que contei aqui, não é tão simples assim. Ao meu ver mais racional, ela só simplesmente sente falta do relacionamento e das sensações que ela tinha durante esses 2 anos e não necessariamente sente falta de mim. Embora eu perceba muito nitidamente o arrependimento dela e sua vontade de voltar o namoro, ainda fico com um pé atrás.
submitted by __hollow to desabafos [link] [comments]


2020.08.30 22:04 mixdixx família abusiva

Eu tô muito indignada com minha família. Desde que comecei a namorar (é meu primeiro namoro sério, estou quase noivando) comecei a perceber os comportamentos abusivos dos que moram comigo.
Começando que eu filha do meio, tenho 18 anos, meu irmão tem 21 e minha irmã 11, eu sou a que faz mais de 70% dos serviços diários domésticos, literalmente lavo a louça todo santo dia e nunca vi meu irmão lavar a não ser que eu tivesse morrendo (não deve ter acontecido mais de 2 vezes) e minha irmã de 11 é filha do meu padrasto isso a torna protegida de todos caso mandem ela fazer algo.
Contando que meu padrasto é o cara mais chato que eu conheço (eu não sou adolescente revoltadinha que não se conforma só porque é padrasto) eu sou na minha, mas ele pega muito no meu pé, me proíbe de sair pra casa das minhas amigas, não posso trazer meu namorado em casa, não posso dormir no meu quarto porquê ele dorme lá de propósito pra eu não poder, teve épocas que eu não podia carregar meu celular em casa, eu levava nos meus amigos pra pegar uma carga e voltar pra casa, meus irmãos perceberam e já falaram pra minha mãe que não é justo, porquê é realmente só comigo, ela só diz que é o jeito dele e devo respeitar.
Minha vó diz todo dia que sou gorda, que não sou moça por causa da minha cintura, que meu namorado vai me largar por isso e isso me machuca, faz mais de 8 anos essa rotina. Eu sempre percebi como é ruim, mas antes só aceitava.
Agora que meu namorado está comigo, me ajuda e me mostra como tudo isso me faz mal, todo esse ambiente já me fez desenvolver um ansiedade muito ruim, meus dedos estão frequentemente machucados, baixa auto estima de não conseguir tirar fotos e solidão extrema interna. Sempre fui sozinha e me senti assim.
Eu e meu namorado vamos fazer 6 meses em setembro, pedi pra minha mãe me deixar ir à praia com ele, eu dormiria lá e voltaria de manhã no outro dia, ela não pagaria nada, reforçando que tenho 18 anos, não trabalho ainda, ela não deixou. Disse que minha vó só pensa em besteira e vai gritar na cabeça dela, minha vó está sempre gritando com todo mundo (acho que ela tem problemas mentais reais).
Eu tenho que me privar sempre de tudo por causa da minha família, isso tem me deixado muito revoltada, apesar que não grito, não xingo, nem nada do tipo, eu geralmente só aceito e guardo. Eu não sei se devo parar de me importar com todos aqui e começar a viver minha vida ou espero até um milagre acontecer e eles mudarem. Estou cansada real.
Meu namorado é a melhor pessoa que já conheci, tenho certeza que estarei casada com ele em menos de 2 anos, ele me ajudou muito nas questões de culpas que eu sentia por minha família (eu achava que se eu achasse ruim com eles pelas coisas que faziam, era culpa minha) me ajudou a me aceitar e a melhorar minha alto estima e eu queria muito que nossos 6 meses fossem muito especiais. Eu nunca fui a praia e ir com ele seria muito incrível.
Por fim eu não sei se continuo me privando pra não brigar com eles, ou começo a viver de forma que me faça feliz.
submitted by mixdixx to desabafos [link] [comments]


2020.08.10 23:46 Godi22kam IMPOSTO DIGITAL (NOVA CPMF) BRASIL

Imposto Digital cpmf Brasil
Não sei como a população não percebe esse problema sério no país, o imposto digital (nova cpmf) vai destruir mais a economia e gerar mais pobreza no país. Resumidamente entenda : Se aprovado todas pessoas que usam serviços online terão que pagar imposto por cada ato: -uber -ifood -jogos eletrônicos -serviços /consumos onlines -lojas online -aplicativos de namoro e etc -tudo que for online -transações financeiras digitais
DEVEMOS LUTAR CONTRA ESSA ABOMINAÇÃO, BRASIL À FRENTE. CONTRA ESSE PLANO DE RETROCESSO TECNOLÓGICO E HUMANO QUE TAMBÉM VAI DESTRUIR O EMPREGOS ONLINES DAS PESSOAS!
submitted by Godi22kam to brasilivre [link] [comments]


2020.07.28 05:48 leepz2019 Um "amor" que eu não entendi

Olá me chamo L. (H.28) e venho buscar opiniões pra poder entender oque está acontecendo. Há 4 anos atrás conheci uma moça denominada D. Moça bonita e jovem 15 anos, só queria curtir e zoar a vida, quando eu a conheci foi em casa, naquela época consumimos maconha e vivíamos chapados, ninguém queria nada com nada, eu recém terminado e ela também. Nos envolvemos e aconteceu, a gente ficou e deixamos claro que não queríamos nós apegar tanto, porém não foi isso que aconteceu. Porém eu vinha passando por problemas devido ao meu término recente e vi que estava ali só por estar mesmo. Comecei a pensar e fui me afundando numa depressão profunda e amarga, porém não quis demonstrar isso, eu gostava muito dela e sabia que na idade dela não tinha porque envolver-la em algo desse tipo, afinal queríamos curtir. Passando um tempo minha mãe sabendo da minha situação me chamou pra ir morar com ela no nordeste, sem chão e sem nada resolvi ir sem hesitar. Expliquei para a D. que teria que ir embora pois não tinha mesmo condições de me manter nas condições emocionais que eu estava. Ela entendeu e compreendeu, sempre fomos muito sinceros um com o outro. Fui embora de coração partido por deixar a cidade e pessoas muito importantes pra mim pra trás. Chegando lá não consegui me adaptar e cai em depressão profunda, o único motivo pra eu sair da cama era comer e fumar cannabis. Passado um tempo comecei a me sentir mais disposto, saia pra passear beira mar, dar uns pegas bem assim dizer, uma euforia total. Cheguei a mandar mensagem pra D. Já que tinha me afastado por conta da depressão, porém ela tinha voltado com o ex, segui em frente afinal oque mais me importava era se ela estava feliz ou não. Passado uns 2 meses entrei em uma crise psicótica devido ao uso de cannabis. Passei por avaliação psicológica e fui encaminhado pra uma clínica. Foram os piores dias da minha vida, porém aprendi muita coisa ali. Eu já não queria mais morar lá no nordeste então saindo da internação resolvi fazer uso de drogas denovo sabendo que assim minha mãe me mandaria de volta pra minha cidade aqui no sudeste. Voltei e continuei a usar contrariando todo o tratamento da doença (esquizofrenia) uma simples tendência nada que me tornasse incapacitado de lidar com a sociedade. Certas vezes cheguei a sair e esbarrar com ela pelas ruas, cruzamos olhares mais ela ainda estava com ele e eu pensava que ela estava feliz e não queria estragar isso. Passado um tempo me atacou outra crise e resumindo segui pra uma internação mais severa agora aqui no sudeste e parei com o uso de drogas pra não atacar crise de novo. Fiquei um ano focado em trabalhar e cuidar de mim se manter relação amorosa com ninguém, isso foi ano passado. Um amigo em comum que namora uma amiga dela me disse que esses dias elas estavam conversando sobre mim, que ela aparentemente estava tendo um mal relacionamento com o namorado dela e disse que ela nunca me esqueceu e que gostava de mim depois de todo aquele tempo. O amigo me disse pra mandar mensagem pra ela, passado alguns dias eu criei coragem e mandei um oi pra ela no wpp. Sem resposta eu pensei, ela deve estar se acertando com ele, melhor eu deixar quieto. Passado mais alguns dias respondi um storie do instagram, não passou muito ela me respondeu com um emoji, logo voltamos a nos falar cada vez mais e mais. Perguntei se ela tinha terminado e ela disse que sim, antes de agente voltar a se falar ainda. Numa sexta feira tomando uma cerveja ela me disse que ia dar com o irmão, eu sem muito o que fazer chamei ela pra tomar uma em casa onde nos conhecemos, e ela aceitou e veio pra minha casa, já com a intenção de ficarmos, pois havíamos conversado por mensagem. O reencontro foi algo muito especial pra mim, algo que eu não consigo explicar. Ela passava quase a semana em casa, e quando ia pra casa dela trocava-mos mensagem do amanhecer ao anoitecer, eu achava me sentia muito pressionado mas sentia que ela precisava disso pois ela havia mencionado que também tinha parado de usar drogas que ocasionaram em crises de Pânico ou ansiedade não sabemos ao certo pois ela não quis ir ao médico saber sobre. Ela vinha tendo crises com certa frequência e eu sempre ajudei como pude, quando estava longe eu tentava distrair-la, quando perto abraçava, conversava, contava algo engraçado até passar tudo. Com um mês pedi ela em namoro durante uma festa que fazíamos em casa, ela aceitou, ficou emocionada ao meu ver, pois havia relatado que ninguém nunca tinha feito aquilo com ela, pusemos as alianças e comemoramos aquele dia. Ela passava muito tempo em casa e eu e meu irmão estávamos desempregados no momento, logo conversamos que ela vinha um dia da semana pra casa e nos fins de semana pra não pesar pra ninguém como havia combinado com meu irmão, conversei com ela e foi sem problema mas sempre ela inventava algo como está tarde ou vai chover ou que se sentia bem em casa comigo, pois o pessoal de casa sempre gostou dela e tratou ela super bem, entao eu ficava sem jeito de pedir pra ela ir pra casa dela. Mas sempre expliquei pra ela que quando eu pudesse eu traria ela pra morar comigo aqui, ela sempre ajudou como podia, não tinha dinheiro pois não trabalhava e eu ainda estava sem serviço pois nosso negócio estava parado por conta da troca de estação. Passando algum tempo realizamos a venda de um imóvel rural, recebi um bom valor da minha parte e sempre combinamos que quando o negócio voltasse a rodar iríamos trabalhar pra fazer esse dinheiro render então decidi pegar o resto das coisas dela , até isso acontecer aproveitamos muito, bebemos muito e curtimos muito, sempre comprei coisas pra comer sem necessidade, porém comprei muita coisa necessária também como roupas pra nós dois, comprei maquiagem pra ela, escova progressiva pro cabelo, trocamos de celular, comemoramos aniversário fomos em festas antes dessa pandemia é claro, aos pouco vi ela ficar cada vez mais linda de que quando a conheci. No caminho dessa curtição sempre reparei nas atitudes dela comigo, principalmente quando bebia ela me desagradava com certas atitudes, eu ficava extremamente magoado com aquilo e sempre me abri com ela e expliquei que aquilo me magoava muito. Coisas como, você tá parecendo meu ex, amigos que dava em cima dela eram melhores que eu, ou em certa conversa expliquei pra ela que ela me devia respeito, pois sempre respeitei ela e fiz o que ela queria, ela nunca teve quem fizesse essas coisas por ela, então eu fiz tudo na melhor intenção e felicidade por fazer ela feliz, ela me disse que não tinha por que me respeitar. Nós não éramos mais namorado, ela já estava morando comigo há mais de 4 meses, éramos praticamente marido e mulher, claro que tinha que ter respeito um pelo outro poxa. Sempre tivemos biometria do celular um do outro como sinal de confiança mas nunca olhei seu celular, uma vez ou outra só quando queria saber oque tanto fazia ali, e ela fazia também quando eu dormia eu acho, pois não via ela mexendo, até aí normal, apesar dos apesares sempre nos demos muito bem e eu achava que éramos felizes. Mas de nesses últimos 2 meses, reparei que ela já não se divertia muito diretamente comigo, só quando não tinha mais ninguém mesmo, se tivesse algum parente dela ou meu bebendo com a gente ela era totalmente radiante e feliz. Se eu for parar pra contar tudo que eu reparei com certeza vai ficar muito maior esse texto.. Continuando, mais precisamente a umas 3 semanas fomos a um aniversário do cunhado dela que eu sempre vou considerar como se fosse da minha família, inclusive sou muito grato a ela por ter conhecido ele e também a minha cunhada que é namorada dele e irmã da D. Enfim fomos a festa e chegando lá estava a família do aniversariante a mãe e os irmãos que eu conhecia aliás, tem um deles especificamente denominado J. Que ela sempre me falou mal, dizia que quando ele estava com a namorada ele era c..são e dava ânsia cada vez que ouvia o nome dele, porem recentemente a parceira dele largou dele e foi embora do estado. Até aí tudo bem, ele foi super simpático comigo, porém notei ela muito simpática com ele. Naquela noite fiquei assando carne na garagem em baixo onde se encontrava a maioria do pessoal, e ela distante de mim, direto lá em cima conversando com os irmãos do cunhado e nada de me dar atenção, percebi mas nem falei nada pra não ficar um clima chato na festa e nem começar uma briga com ela. Festa acabando chamei ela pra ir embora que a irmã dela ia levar a gente, ela estava jogando futebol no game com os irmãos do cunhado dela, e não me deu ouvidos direito, disse que estava vendo alguém jogar, eu falei vamo que o carro tá ligado já, ela disse que já ia, desci e falei pra irmã dela chamar que ela não queria vir, a irmã subiu, logo ela desceu, ao sair do portão torceu o pé, estava bem embriagada, todos estávamos, durante o caminho veio dormindo e chegou em casa subiu as escada deitou na nossa cama e logo adormeceu. No domingo ela acordou com o pé super inchado me chamou e eu perguntei se ela queria ir ao hospital ela disse que não, depois disso no meio do dia meu sogro liga pra ela perguntando se não queria ir na casa dele, disse que era melhor não ir por casa do pé, ela não gostou então fomos mesmo assim, bebemos rimos muito aquele dia, tudo normal, chegando em casa cuidei dela devido a pé e ficamos de boa, estava tudo normal aparentemente, na segunda ela ficou o dia inteiro no quarto devido ao pé inchado, na terça disse que iria na irmã dela e que a mãe ia lá e queria passar o dia lá, normal pra mim, antes de sair meu irmão havia pedido pra ela separar algumas peças que foram vendidas, ela disse que faria assim que chegasse. Na sexta feira antes disso meu avô havia sofrido uma queda e bateu a cabeça forte, no sábado do aniversário ele havia passado mal da pressão e ido ao hospital, desde então eu já estava aflito com essa situação e ela nem pra perceber, foi mesmo assim pra casa da irmã, no meio do dia me manda uma mensagem dizendo que o pé inchou, perguntei pra onde tinha andado ela disse que tinha ido ao mercado de apé, já fiquei meio irritado, pois há algum tempo ela já não ajudava nas tarefas de casa direito, coisa que sempre fiz independente de estar trabalhando ou não, paras as obrigações fazia corpo mole, pra se divertir era a primeira a agitar, blz. Me mandou uma foto do pé inchado, logo em seguida falei "quero ver essa disposição aqui em casa" e mandei uma palminha sobre a foto. Meu avô havia ido ao médico e eu estava extremamente preocupado. Não conversamos o resto do dia, mais ao anoitecer ela chega em casa me dizendo que tinha que voltar lá na irmã pra cortar a franja, só olhei e não respondi, por tamanha indignação com as preocupações minhas comparadas com as dela, que já não se importava muito com o que eu sentia e afins. Depois daquele dia ela se fechou e não saia do quarto nem pra comer, e direto eu vinha ver como ela estava, quando ela não estava vendo algo no celular estava jogando com o J. quem ela sempre falou mal, e estava rindo com o cara, toda hora conversando, e comigo nada de conversa, ia dormir tarde conversando no wpp e jogando, rindo com os outros e eu nada, fui ficando extremamente magoado e nervoso com isso tudo, cheguei a ter batedeira e tremedeira de nervoso, sensação de desmaio, fraqueza, decidi então ocupar a cabeça com serviço, enquanto ela ficava no quarto isolada falando só com quem ela queria eu me distraia com outras coisas. Na sexta feira resolvi puxar assunto com ela no wpp, já que ela não saia de lá, logo ela me respondeu e conversamos, disse a ela que não dava pra continuar desse jeito e ela concordou, eu também disse que desconfiava que havia algo errado ( mais uma coisa de intuição ou pressentimento não sei explicar) , ela me disse que eu tava viajando já, um pouco também é pelo fato de ela colocar o celular debaixo do travesseiro antes de dormir, coisa que nunca aconteceu e eu achei estranho mas nem falei sobre isso, durante a conversa me disse que tinha uma bagunça dentro dela que a vida dela era um caos e não queria me envolver nisso tudo, que cansou de fingir que tava bem e precisava pensar na vida, que tinha que ficar um tempo sozinha pra ver oque ela tava fazendo da vida dela????? Como assim? Depois de tudo que passamos que "conquistamos" , tudo que curtiu , dizia que me amava e eu também dizia, aliás ainda amo, cadê aquele amor todo que tinha me dito que tinha? Que nunca me esqueceu? Que eu era a melhor coisa que tinha acontecido na vida dela? Que eu era o homem que ela pediu pra Deus? Que eu ninguém tratou ela como eu tratei? Passou mais um dia, enfim logo ela mudou de assunto e desceu ajudar minha cunhada com umas coisas de casa, foi até mim, disse que me amava, me deu um beijo, e disse que havia melhorado um pouco, mais a tarde eu ainda trabalhando perguntei a ela, e aí tá de boa? Ela me respondeu.. Sinceramente não tô não.. Disse a ela que a hora que eu subisse conversaria Ela perguntou se podia chorar, pois estava com uma vontade gritante fazia tempo Disse que sim, que as vezes tudo que precisa é desabafar e fazer isso mesmo Eu subi, cheguei no quarto e liguei a TV e coloquei algo pra tocar num volume mais ou menos, abracei ela bem forte deitado na cama, e senti ela chorando bem baixinho pra não perceber, ali eu me senti muito mal mas muito mesmo, porém a gente havia conversado e ela me disse que não foi nada que eu tivesse feito ou falado pra ela, do contrário, era coisa dela e ela não queria me envolver, enfim ela terminou de chorar veio até mim e nos beijamos intensamente, sentou no meu colo e continuou me beijando, cheguei a pensar que transariamos. Ela saiu de cima e estávamos conversando sobre nada específico que envolvesse nossos sentimentos, ela me perguntou se eu tinha entrado no jogo que sempre jogamos juntos pra coletar recompensas eu disse que não e pedi pra ela pegar meu celular pra eu poder fazer isso, entrei lá e logo o J. estava online e me chamou pra jogar, joguei com ele na boa pq já tinha combinado, e perguntei a ela se ela queria jogar, sem hesitar ela entrou com a gente, jogamos até altas horas e foi bem divertido. No dia seguinte estávamos conversando normal e tudo até que um amigo em comum avisou que teria um churrasco de aniversário na casa dele a noite e teria chamado também a irmã dela e o cunhado, logo encaminhei pra ela e ela disse que tinha combinado almoço na casa da mãe do cunhado dela onde reside o J., falei mais eu nem sabia que se tinha combinado isso, e outra dava pra ficar pra outro dia, já percebi que ela não gostou e parou de falar comigo, subi no quarto pra trazer comida pra ela pois ela não havia saído do quarto, cheguei ainda amoroso e disse comprei algo pra você comer, ela disse que não tava com fome e não olhou na minha cara, pensei poxa denovo isso..algum tempo depois entrei no quarto ela rindo e jogando denovo com o mesmo cara, enquanto eu resolvia as coisas pro aniversário e trabalhava. Pouco antes de me arrumar entrei no quarto a mesma situação, não me senti mal exatamente por ela estar jogando e rindo com ele, fiquei meio chateado por que ela me ignorava. Enfim varou a tarde jogando e tive que pedir pra ela se arrumar se não nós atrasariamos, fez cara e se arrumou, e seguiu seca e meio calada igual a semana inteira, fomos para a festa.. Chegando lá se divertiu e tirou foto com todo mundo menos comigo..depois de um tempo ela me disse que estava passando mal e queria ir embora, trouxe ela em casa que é perto e pedi pra ela comer algo quando chegasse pra não acordar passando mal com dor de cabeça Ali eu tomei a decisão de fazer como se fosse um dia em que eu pudesse extravasar, Bebi como se não houvesse o amanhã, fui até 10 horas da manhã bebendo.. chorei muito desabafei muito com a minha cunhada que sempre foi parceira e amiga em tudo, inclusive da D. Subi e descansei, não vi ela acordar e quando acordei ela estava no banheiro, desci e continuei bebendo e pensando em tudo. Fiquei o dia sem inteiro sem entrar no quarto..quando entro me deparo com ela mais uma vez jogando e rindo com o cara, depois disso comecei a tremer e sentir batedeira denovo. Conversei com alguém e fui tomar um banho pra acalmar. Funcionou, entrei no quarto e acho quel ela percebeu que eu saí nervoso logo ela saiu do jogo. Na segunda feira ela ia repetir o mesmo esquema da semana passada e ia me ignorar..passei o dia inteiro pensado sobre o que fazer e como fazer e decidi subir pra conversar. Cheguei no quarto ela estava com a toalha ao lado..perguntei se ela iria se banhar ela seca me disse "vou"... Disse que a hora que ela voltasse precisaríamos conversar.. Ela voltou do banho e sentou na cama e disse.. Vai solta a letra.. Já rebati..é assim mesmo que você fala? Tem certeza que quer começar uma conversa assim? Ela disse não,, foi mal diz aí oque se quer Perguntei eai? As coisas vai ficar assim mesmo? Se não quer falar comigo, só ri e conversa normal com os outros? Ela disse eu não tô falando com ninguém 🙄 Já parei a conversa e falei ... Ó assim não dá nao...faz um favor e só arruma outro lugar pra você ficar e pode ir embora.. Sem hesitar ela disse hoje mesmo eu faço isso! Me doeu muito ter que dizer aquilo.. Mas para ela foi como se já tivesse esperando.. Então me dirigi a porta e disse, me faz um último favor? Ela disse hum? Falei.. Isso que você fez comigo, não faz com o próximo não.. é feio e é muito errado... Ela balançou a cabeça e disse... Tá bom Desci e fiquei inquieto lá em baixo, minha vontade era subir e falar tudo que estava e estou sentindo agora.. Ela me pediu pra ajudar a encontrar as chaves da sua casa, subi e quando abri a porta ela estava sentada chorando muito...aquilo me partiu o coração, mesmo assim encontrei as chaves e entreguei a ela.. Sentei ao lado dela quieto e esperei pela carona dela.. Pouco antes de ir me pediu um abraço. Nós abraçamos e nos beijamos uma última vez e enfim ela foi embora.. No dia seguinte atualizou seu status pra solteira nas redes sociais e posta indiretas como coisas do tipo a dar entender que já está em outra e isso tem me magoado profundamente.. Eu tenho tanto ainda pra falar..mas estou digitando faz horas.. Fica aqui um desabafo +
submitted by leepz2019 to desabafos [link] [comments]


2020.07.16 16:28 fobygrassman ENCONTRE MULHERES CASADAS, PORÉM CARENTES ESTA NOITE

ENCONTRE MULHERES CASADAS, PORÉM CARENTES ESTA NOITE Descubra como acessar e conhecer mulheres casadas porém carentes em apenas 10 minutos
Casadas Carentes: As 5 melhores maneiras de conhecer casadas carentes em menos de 2 horas Escrito por uma dona de casa traidora real.
Casadas carentes são mulheres presas em relacionamentos de longo prazo não satisfeitas com o atual companheiro. O marido não a dá a atenção que ela merece, não a faz se sentir sexy, desejada, ou como um dia a fez sentir. Ela carece afeto, tesão, ou mimos. Elas sentem falta destas coisas, e tem desejos de procurar homens que ajudem a satisfazer estas necessidades para ela.
O QUE FAZ UMA MULHER CASADA SER CARENTE?
Há vários fatores que levam ao sentimento de carência de mulheres que conseguiram se manter em relacionamentos por tempos prolongados. Alguns destes fatores são:
• Vida sexual insatisfatória, onde não há tesão ou paixão. O marido não se preocupa com o que a mulher sente, só pensa em si, sem romance, sem preliminares, e sem posições diferentes. Parece um ato que tem como finalidade apenas fazer o marido se satisfazer, depois virar para o lado e dormir. • O homem não parece mais ter tempo para a esposa. Trabalha muito, chega em casa tarde, e está cansado demais para qualquer coisa nova, diferente ou divertida. Arruma tempo para jogar futebol com os amigos no final de semana, vai a bares com os colegas depois do serviço e chega em casa tarde e vai direto para a cama. A mulher não se sente mais importante.
• Não é tratada bem pelo marido. Não é apenas deixada de lado, mas ainda é ofendida por certas atitudes do marido. Ele briga, xinga e a ofende. Não a respeita, como deveria, e ela sente aquela vontade de sentir aquilo que um dia ele ofereceu: carinho e afeto.
• Ela quer novidade. Ela ficou com o mesmo homem por muito tempo, e já sabe tudo que ele faz e vai fazer. Na cama é tudo rotina, o beijo é sempre o mesmo, a cama é sempre a mesma, as personalidades são sempre as mesmas. Ela só quer sentir alguma coisa diferente depois de tantos anos, precisa de algo que a lembre que está viva.
COMO CONHECER CASADAS CARENTES?
Agora que você sabe como casadas carente se sintam, você deve estar se perguntando como conseguir encontrar uma, para a ajudar a satisfazer suas necessidades. Será que há algum lugar onde elas ficam mais concentradas, dispostas a serem abordadas por um estranho? Será que dá para encontrar alguma em algum bar pela cidade, pronta para ser conquistada? Boa sorte, mas isto vai ser difícil desta maneira.
Mulheres nesta situação, mesmo que carentes e com vontade de experimentar coisas novas, ela não quer se colocar em posições comprometedoras ou em risco de ser pega ou descoberta pelo seus maridos. Elas geralmente são mais tímidas, e não teriam tanta coragem, pois são mulheres que geralmente estão em relacionamentos com mais de 5 anos, e está fora do jogo de namoro há muito.
Mas vamos dizer que ela tivesse a coragem de ir na cidade e ir para algum bar, para ver se algum homem a abordasse. Como você distinguiria uma casada carente e uma que simplesmente quer se divertir no bar com as amigas, ou apenas beber. É muito risco para você como um homem abordar uma mulher de aliança.
Existe um local perfeito para encontrar casadas carentes: Ashley Madison. Site reconhecido internacionalmente como melhor ferramenta de traição.
ASHLEY MADISON
O que a Ashley Madison oferece que outras alternativas não oferecem para encontrar casadas carentes? Será que casadas carentes realmente usariam um site deste?
A Ashley Madison é uma gigante no oferecimento de oportunidades para traição. Já reuniu mais de 50 milhões de usuários em todo mundo, um dos sites mais populares do mundo. Isto não é só no mundo, no Brasil também tem uma presença muito grande, chegando a quase 2 milhões de usuários, esperando outros 1 milhão até 2020.
Tem duas coisas que a Ashley Madison oferece que garante a vinda de casadas carentes. Primeiramente é a discrição. Como foi explicado anteriormente, mulheres nesta posição não querem ser colocadas em situações comprometedoras, nem em risco desnecessário. A Ashley Madison tem múltiplas ferramentas inovadoras que oferecem uma discrição garantida como: não precisar confirmar seu e-mail no cadastro, assistente de fotos patenteado que permite borrar fotos públicas, permitindo a visualização de uma galeria privada a apenas pessoas que elas concederem acesso, podendo ser revogado a qualquer momento.
Outra coisa muito atraente a mulheres é o custo para elas. A Ashley Madison concede acesso gratuito às mulheres. Elas tem acesso a toda função do site, sem ter que pagar. É óbvio que isso chamaria a atenção de casadas carentes. Elas não teriam que justificar gastos a seus maridos posteriormente.
DICAS PARA CONHECER CASADAS CARENTES NA ASHLEY MADISON
Segue as seguintes dicas, e você vai se ver encontrando múltiplas mulheres desejando atenção ou outras coisas que você pode oferecer a elas.
  1. Inscreva-se! Uma ferramenta reconhecido pelo mundo todo como forma eficiente de encontrar parceiros para traição. Junte-se a Ashley Madison e tenha acesso a uma multidão de mulheres casadas e carentes.
  2. Navegue pelo site, e por todas as mulheres no site, procurando alguma que te interesse. Veja o perfil dela e inicie uma conversa, de forma adequada, gentil e cavaleira. Não seja agressivo, nem estranho, nem genérico. Deixe claro suas intenções e a dá a atenção que ela carece. Preste atenção no que ela diz e o que ela deseja, e a partir das reações dela, vê como pode prosseguir. Se quiser deixar a conversa mais sexual, tenha moderação. Não comece de forma sexual, vai elevando o calor da conversa de forma gradual, sempre levando em consideração a reação dela.
  3. Monte um perfil decente. Dedique bastante tempo a seu perfil, ele será uma das primeiras impressões dela de você. Quanto mais tempo e atenção der ao seu perfil, maior a chance de casadas carentes se interessarem em você.
Agora que você sabe como encontrar e conhecer mulheres casadas carentes perto de você, entra na Ashley Madison e encontre uma em até 10 minutos!
submitted by fobygrassman to casadas_traindo [link] [comments]


2020.05.06 05:40 DinahY96 Amizade tóxica

Olá pessoas! Este é meu primeiro post, então... Espero que vocês gostem!
Eu tinha uma amiga que eu gostava muito. Vamos chamar ela de... Helena. A gente tinha 6 anos e pouco de amizade. Éramos bem grudadas e como sempre... Falávamos sobre nossos amigos, quem era bonito, etc.
Eu tinha mais duas amigas que eram muito gente boa. Vamos chamar uma de Jéssica e outra de Mariana. As duas viviam me perguntando se a Helena não era muito...Tóxica.
Como eu gostava muito da Helena, achava que era coisa da cabeça das duas. Quando a Helena começou a namorar o meu amigo, eu consegui enxergar os pontos que as duas tinham me falado.
O meu amigo, Giovanni vamos chamar ele assim. Ele namorou com a Helena há muitos anos. O Giovanni, conheço ele muito bem. Ele é fiel.
Continuando... A Helena quando via os nossos post no Facebook. Ou eu comentava post do Giovanni ou ele comentava o meu post.
AH, DETALHE... EU ESTAVA NAMORANDO E ESTAVA COM UM RAPAZ CHAMADO, GABRIEL VAMOS CHAMAR ELE ASSIM. A GENTE TAVA JUNTO A UM ANO.
Continuando... A Helena ficou com ciúmes, porque ele ficou conversando comigo no Facebook. A gente tinha grupo de amigos no Facebook e via ela fazendo escândalo com o pessoal do grupo.
Eu fiquei assustada com a atitude dela. Quando o meu relacionamento terminou, fiquei muito mal. Ela foi até falar com um " amigo " meu... Vamos chamar de corno, porque ele foi bem corno com todo mundo.
Sobre o corno... Vou falar sobre ele em outro post. Ela me defendeu do corno, fez escândalo e tudo mais. Agradeci ela.
Até que um belo dia... Quando eu tava de boa com o corno e a gente tava querendo sair juntos e tal. Quando contei pra minha amiga.
Ela me chamou de idiota, disse que se eu namorasse com ele, ela ia deixar de ser minha amiga.
( Eu tipo, wtf? A gente ia apenas comprar consoles e vídeo Games. Aonde essa menina anda com a cabeça? ) Pensei enquanto encarava ela.
Resumindo... Quando eu me apaixonava por alguém, ela dava um ataque de ciúmes pra cima de mim e eu não entendia nada.
Até que um dia... No intervalo do colégio. Ela decidiu ofender a pessoa que eu estava gostando. Quando alguém ofende, critica ou faz algo de errado para a pessoa que estou gostando... Eu avanço. Eu bato mas pra quebrar algum osso da pessoa.
( Se eu sou violenta? Talvez... x.x )
Enfim, quando a Helena ofendeu a pessoa que eu tava gostando... Eu dei um tapa na cara dela e o seu óculos voou longe.
As meninas que tavam perto da gente ficaram com olhos arregalados. Eu saí de perto da Helena pra não machucar mais ela.
O meu ex professor de Sociologia viu de longe no que eu tava vivendo. A Helena sempre me criticando, sempre tendo ciúmes e eu tentando consertar aquilo.
Até que meu ex professor de Sociologia falou pra mim se afastar DE VEZ da Helena, porque ela estava acabando com o meu Psicológico.
Eu concordei com ele. Eu me afastei dela e soube de muitas coisas horríveis dela. O Giovanni queria terminar com ela, pois ele tava também cansado de brigar com ela por conta do ciúmes e segundo que ela tava namorando dois caras. DOIS CARAS!
Como eu sabia disso? Ela falava pra mim que no serviço dela, ela namorava dois caras. Ela trabalhava num mercado, porém num setor de vender pães, salgados,etc.
Quando ela entrava para o intervalo... Ela ficava namorando dois caras. Quando a Helena me contou aquilo, eu tive que falar com o Giovanni sobre o que tava acontecendo.
O pior... É que ela mandava mensagem pra ele dizendo que amava ele. Claro... Giovanni ainda gostava dela e não terminava com ela!
Giovanni gostava de fazer shows, fazer pequenos eventos e por aí vai. Aí uma amiga minha queria conhecer ele e talvez... Tentar ficar com ele.
Ela conversou com o Giovanni sobre ela conhecer ele pessoalmente e tal. Quando a Helena soube disso. As duas quase caíram na porrada no colégio.
Até me afastei delas, pra elas conversarem tipo... Mano a Mano. Quando elas terminaram, a Helena se fingiu de inocente pra cima de mim, dizendo que ainda amava o Giovanni e por isso que ela tava insegura de ver a minha amiga do lado dele.
Na minha cabeça tava assim...
( WTF MULHER?! VOCÊ TÁ COM DOIS CARAS E ME FALA ISSO? )
Mas por fora eu estava plena.
Um dia... Ela sofreu acidente, pois ela ia para o trabalho de Biz. Mas algo aconteceu de errado com ela e deu acidente.
Eu a trouxa... Ajudei ela a sair da cadeira, sair intacta na sala de aula. Eu pegava merenda pra ela. Fazia de tudo por ela. Demorou alguns meses... Ela voltou a andar. Um pouco manca, mas conseguia.
Até que um dia... A gente tava voltando pra casa juntas. ( Minha casa era no mesmo caminho que o dela. Por isso a gente voltava pra casa juntas. )
Ela estava falando no quão idiota a pessoa que eu gostava era. Que ele não sabia de bosta nenhuma, etc. Como ela estava apoiada em mim, por causa do seu pé... Respirei fundo e meio que empurrei ela e ela quase saiu da estrada.
Segurei a Helena e acho que ela percebeu que fiquei brava e ficou calada. Claro... Eu me fingi de besta.
" Opa. Foi sem querer. "
As vezes eu também procuro briga, kkkk. Mas é porque ela me testava muito na paciência.
O dia que realmente fiquei irritada. Eu tava prestes a pedir a pessoa em namoro. A pessoa que eu gostava. Eu tinha brigado com a Helena, porque como sempre... Ela vivia me criticando, falava que eu fazia escolhas erradas, que ia deixar de ser minha amiga.
Quando terminou a aula, voltei pra casa sozinha. Porém... A Helena estava me seguindo e olhando pra minha cara. Ela queria falar comigo, mas eu não. Eu estava cansada da maluquice dela.
Quando eu parei pra atravessar a rua. Ela me parou e começou a vomitar monte de coisa na minha cara. Sério gente. Eu lembro até agora o que ela me disse.
" Se você quer ficar brava comigo, eu não me importo. Você é qualquer uma pra mim. Você é doente, vai se matar que é melhor. "
Foi exatamente isso que ela me disse.
Eu apenas olhei pra cara dela e falei.
" Beleza. "
Eu tava de saco cheio dela. Não queria nem olhar pra cara dela. Chegando em casa chorei um monte, porque eu tava esgotada e minha avó viu que eu tava péssima.
Até hoje agradeço ao pessoal que me deu apoio. Que fizeram de tudo pra ela se afastar de mim. Ah... A Helena tem uma irmã mais nova. Ela é tão gente boa. Sinto falta dela. Mas né... Não quero nem contato com a Helena.
Quando se passou três meses... Eu tinha deletado todos os contatos dela. Então, eu tava de boa. Até que vi uma mensagem no WhatsApp.
Era ela. A Helena me perguntou na maior cara de pau se eu tava bem. Ela tentava puxar assunto comigo. Eu sentia nojo e raiva, porque ela vivia falando dos garotos que ela pegava e pelo amor de Deus... Ela não era fiel a ninguém.
Ela queria voltar para o meu amigo, Giovanni, por sorte ele tava noivo já. Ela me perguntou se eu podia sair com ela e deixei ela no vácuo. Fiz questão de bloquear e excluir ela.
Uma coisa gente. Não fiquem com uma amizade tóxica. Isso acaba com o seu psicológico. O meu? Tava no 0%.
Eu tentei de tudo pra ficar do lado dela. Mas quanto mais eu descobria sobre os podres dela, quanto mais ela me deixava pra baixo... Mais eu sentia raiva dela.
Então, pessoal... Quando verem que seu amigo ou amiga tá agindo feito louco possessivo... Sai fora, porque se não... Capaz da pessoa te deixar insano. É sério isso.
Espero que tenham gostado do meu primeiro post e até a próxima!
submitted by DinahY96 to u/DinahY96 [link] [comments]


2020.03.05 04:26 psicopatola Eu perdi o amor da minha vida, eu acho

Está é uma história sem final, já adianto pra vocês. Só queria desabafar mesmo. Meu nome é Meredith e eu namorei o Derek por dois anos, sempre em um regime não monogâmico. Desde o primeiro dia que a gente ficou junto nunca mais paramos de nos falar. O namoro veio naturalmente, com um pedido lindo, depois de quatro meses em que estávamos juntos. Nunca houve uma conversa sobre ser ou não ser monogamia. Nós sempre conversávamos que na nossa concepção o amor é uma escolha e você é livre para se relacionar com quem quisesse. Tínhamos alguns tratos, tipo não se envolver emocionalmente, não ficar com conhecidos e não conversar sobre outras pessoas que ficávamos. Nunca fiquei com ninguém nesse meio tempo, mas me dava um alívio imenso só de saber que eu teria essa liberdade de escolha.
Pois bem, o tempo passou e as coisas aconteceram. Concluí meu curso médico, fui estudar psiquiatria. Depois que você forma em medicina, você faz a residência médica, que é um grande vestibulaEnem. A partir do resultado da prova, você escolhe um lugar pra ir. Escolhi o hospital mais antigo e tradicional da minha cidade e fui, feliz da vida. Lá conheci o Alex, um outro médico que tinha passado em outro hospital, mas que ia ficar trabalhando comigo nos 9 primeiros meses. Não sei o que foi, mas ele chamou minha atenção logo de cara. Ele era lindo, gente boa, inteligente, engraçado, amava literatura, tocava violão... Já logo no início o feitiço se quebrou um pouco porque ele também era hetero topzera, gostava de ir em boates pagação e ouvir sertanejo. Devo dizer que de cara, o que me chamou a atenção foi a parte física, e não demorou muito para que eu estivesse conversando com ele todos os dias o dia todo. Ele sempre me esperava pra almoçar, me ligava pra saber se eu ia nas aulas, ficava me procurando pra conversar quando acabava o serviço. Ficamos muito próximos até que... Demos um beijo. Foi logo no primeiro mês de residência, estávamos completamente bêbados e eu já não tava aguentando de tesão. E então começou a surgir algo além da amizade.
Nessa altura do campeonato, meu namoro não estava lá essas coisas. Eu estava passando muito tempo ocupada com as coisas do meu serviço e ele estava ocupado com TCC, mestrado, artigo científico. Estávamos cada vez mais distantes um do outro, só que não queríamos reconhecer isso, porque tínhamos um carinho muito grande um pelo outro. As brigas eram constantes e eu ia desabafar com quem? Alex. Passei a enxergar nele um porto seguro, um alguém pra quem eu podia correr caso precisasse. Desabafava sobre os problemas do meu namoro, questões familiares, inseguranças da vida. E a gente conversava cada vez mais.
Ficávamos quase sempre, pelo menos uma ou duas vezes por semana. Às vezes no carro dele, às vezes na casa dele, as vezes em algum lugar do hospital, mas sempre dávamos um jeito. E assim, eu cheguei num ponto do meu namoro em que não dava mais pra continuar. Terminei tudo e ele foi a primeira pessoa que eu contei.
Passamos a ficar cada vez mais próximos um do outro. O carinho e a admiração cresciam cada vez mais, mas ao mesmo tempo, não havia nenhuma conversa que indicasse que ele queria continuar comigo a longo prazo. Informação importante: ele nunca namorou antes. Por causa disso e da ausência de perspectiva futura, passei a viver o presente com ele. Eu amava passar tempo com ele. Ficávamos horas e horas a fio conversando. Cansei de "dormir" na casa dele: o dormir está entre aspas porque na verdade ficávamos conversando até altas horas de madrugada, até que um de nós apagasse primeiro.
Nesse ponto da história, todos os nossos amigos do trabalho sabiam e torciam por nós enquanto eu sentia que aquele relacionamento não tinha futuro. Nunca tinha conhecido nenhum amigo dele ou alguém da família. Eu dizia pra mim mesma que isso não significava nada. Há umas duas semanas atrás, um amigo em comum conversou com ele sobre o nosso relacionamento. Disse que ele deveria assumir os sentimentos dele e que provavelmente eu iria cobrá-lo depois do carnaval. Alex falou pro nosso amigo que provavelmente a gente iria acabar namorando mesmo, porque já não tinha mais jeito. Um tempo depois, eu questionei Alex sobre essa postura de enxergar o nosso namoro como uma consequência do tempo em que a gente tá junto e não do tanto que a gente se gosta. Na minha cabeça não faz sentido: namoros acontecem porque duas pessoas se gostam e pronto. Eu pedi a ele que me perguntasse as coisas ao invés de supor o que eu estava pensando. Ele chorou muito, disse que gostava demais de mim e que não queria me causar sofrimento. Isso foi numa segunda feira. Fiquei terça, quarta e quinta com o coração pesado e acabei chamando ele pra conversar na minha casa. Ele era a pessoa com quem eu mais conversava diariamente. Eu estava sentindo muita falta disso. Na quinta, ele chorou mais ainda, me contou que a faculdade foi horrível pra ele, que ele teve depressão, perdeu 12 quilos e se sentiu um lixo durante muito tempo. Que esse momento de agora que a gente tá vivendo era a primeira vez em que ele está genuinamente feliz, que ele nunca tinha sofrido realmente na vida e que ele tinha medo de se envolver e mudar algo desse momento feliz. Foi muito sofrido pra ele. Ele pediu um tempo pra pensar, pra ver como seria a vida dele no segundo ano de residência e pra tentar entender como ele quer lidar comigo. Depois dessa chamada que eu dei nele, ele descobriu que gosta demais de mim e que não quer ficar comigo sem que seja algo sério.
Eu amo esse homem, gente. Eu não sei ainda se eu quero namorar, mas eu quero ficar junto com ele. O que eu faço? A gente se vê muito pouco agora.
submitted by psicopatola to desabafos [link] [comments]


2020.03.03 03:40 psicopatola Relacionamento à la Grey's Anatomy

Está é uma história sem final, já adianto pra vocês. Só queria desabafar mesmo. Meu nome é Meredith e eu namorei o Derek por dois anos, sempre em um regime não monogâmico. Desde o primeiro dia que a gente ficou junto nunca mais paramos de nos falar. O namoro veio naturalmente, com um pedido lindo, depois de quatro meses em que estávamos juntos. Nunca houve uma conversa sobre ser ou não ser monogamia. Nós sempre conversávamos que na nossa concepção o amor é uma escolha e você é livre para se relacionar com quem quisesse. Tínhamos alguns tratos, tipo não se envolver emocionalmente, não ficar com conhecidos e não conversar sobre outras pessoas que ficávamos. Nunca fiquei com ninguém nesse meio tempo, mas me dava um alívio imenso só de saber que eu teria essa liberdade de escolha.
Pois bem, o tempo passou e as coisas aconteceram. Concluí meu curso médico, fui estudar psiquiatria. Depois que você forma em medicina, você faz a residência médica, que é um grande vestibulaEnem. A partir do resultado da prova, você escolhe um lugar pra ir. Escolhi o hospital mais antigo e tradicional da minha cidade e fui, feliz da vida. Lá conheci o Alex, um outro médico que tinha passado em outro hospital, mas que ia ficar trabalhando comigo nos 9 primeiros meses. Não sei o que foi, mas ele chamou minha atenção logo de cara. Ele era lindo, gente boa, inteligente, engraçado, amava literatura, tocava violão... Já logo no início o feitiço se quebrou um pouco porque ele também era hetero topzera, gostava de ir em boates pagação e ouvir sertanejo. Devo dizer que de cara, o que me chamou a atenção foi a parte física, e não demorou muito para que eu estivesse conversando com ele todos os dias o dia todo. Ele sempre me esperava pra almoçar, me ligava pra saber se eu ia nas aulas, ficava me procurando pra conversar quando acabava o serviço. Ficamos muito próximos até que... Demos um beijo. Foi logo no primeiro mês de residência, estávamos completamente bêbados e eu já não tava aguentando de tesão. E então começou a surgir algo além da amizade.
Nessa altura do campeonato, meu namoro não estava lá essas coisas. Eu estava passando muito tempo ocupada com as coisas do meu serviço e ele estava ocupado com TCC, mestrado, artigo científico. Estávamos cada vez mais distantes um do outro, só que não queríamos reconhecer isso, porque tínhamos um carinho muito grande um pelo outro. As brigas eram constantes e eu ia desabafar com quem? Alex. Passei a enxergar nele um porto seguro, um alguém pra quem eu podia correr caso precisasse. Desabafava sobre os problemas do meu namoro, questões familiares, inseguranças da vida. E a gente conversava cada vez mais.
Ficávamos quase sempre, pelo menos uma ou duas vezes por semana. Às vezes no carro dele, às vezes na casa dele, as vezes em algum lugar do hospital, mas sempre dávamos um jeito. E assim, eu cheguei num ponto do meu namoro em que não dava mais pra continuar. Terminei tudo e ele foi a primeira pessoa que eu contei.
Passamos a ficar cada vez mais próximos um do outro. O carinho e a admiração cresciam cada vez mais, mas ao mesmo tempo, não havia nenhuma conversa que indicasse que ele queria continuar comigo a longo prazo. Informação importante: ele nunca namorou antes. Por causa disso e da ausência de perspectiva futura, passei a viver o presente com ele. Eu amava passar tempo com ele. Ficávamos horas e horas a fio conversando. Cansei de "dormir" na casa dele: o dormir está entre aspas porque na verdade ficávamos conversando até altas horas de madrugada, até que um de nós apagasse primeiro.
Nesse ponto da história, todos os nossos amigos do trabalho sabiam e torciam por nós enquanto eu sentia que aquele relacionamento não tinha futuro. Nunca tinha conhecido nenhum amigo dele ou alguém da família. Eu dizia pra mim mesma que isso não significava nada. Há umas duas semanas atrás, um amigo em comum conversou com ele sobre o nosso relacionamento. Disse que ele deveria assumir os sentimentos dele e que provavelmente eu iria cobrá-lo depois do carnaval. Alex falou pro nosso amigo que provavelmente a gente iria acabar namorando mesmo, porque já não tinha mais jeito. Um tempo depois, eu questionei Alex sobre essa postura de enxergar o nosso namoro como uma consequência do tempo em que a gente tá junto e não do tanto que a gente se gosta. Na minha cabeça não faz sentido: namoros acontecem porque duas pessoas se gostam e pronto. Eu pedi a ele que me perguntasse as coisas ao invés de supor o que eu estava pensando. Ele chorou muito, disse que gostava demais de mim e que não queria me causar sofrimento. Isso foi numa segunda feira. Fiquei terça, quarta e quinta com o coração pesado e acabei chamando ele pra conversar na minha casa. Ele era a pessoa com quem eu mais conversava diariamente. Eu estava sentindo muita falta disso. Na quinta, ele chorou mais ainda, me contou que a faculdade foi horrível pra ele, que ele teve depressão, perdeu 12 quilos e se sentiu um lixo durante muito tempo. Que esse momento de agora que a gente tá vivendo era a primeira vez em que ele está genuinamente , que ele nunca tinha sofrido realmente na vida e que ele tinha medo de se envolver e mudar algo desse momento feliz. Foi muito sofrido pra ele. Ele pediu um tempo pra pensar, pra ver como seria a vida dele no segundo ano de residência e pra tentar entender como ele quer lidar comigo. Depois dessa chamada que eu dei nele, ele descobriu que gosta demais de mim e que não quer ficar comigo sem que seja algo sério. E aí eu fiquei com muuuuuita raiva. Não sei lidar com rejeição por parte dos outros. Eu inicialmente havia concordado em ser amiga dele, mas eu me senti rejeitada. Xinguei ele de todos os nomes que consegui, bem infantil mesmo, e bloqueei ele em todos os lugares. Na sexta feira de carnaval, xinguei mais ele, fiz ele sair de um bloquinho, pra voltar pra casa e conversar comigo. É isso.
Eu amo esse homem, gente. Eu não sei ainda se eu quero namorar, mas eu quero ficar junto com ele. O que eu faço? A gente se vê muito pouco agora.
submitted by psicopatola to desabafos [link] [comments]


2020.03.03 03:15 psicopatola Eu tinha dois "namorados" e perdi os dois 😬

Está é uma história sem final, já adianto pra vocês. Só queria desabafar mesmo. Meu nome é Jane e eu namorei o Michael por dois anos, sempre em um regime não monogâmico. Desde o primeiro dia que a gente ficou junto nunca mais paramos de nos falar. O namoro veio naturalmente, com um pedido lindo, depois de quatro meses em que estávamos juntos. Nunca houve uma conversa sobre ser ou não ser monogamia. Nós sempre conversávamos que na nossa concepção o amor é uma escolha e você é livre para se relacionar com quem quisesse. Tínhamos alguns tratos, tipo não se envolver emocionalmente, não ficar com conhecidos e não conversar sobre outras pessoas que ficávamos. Nunca fiquei com ninguém nesse meio tempo, mas me dava um alívio imenso só de saber que eu teria essa liberdade de escolha.
Pois bem, o tempo passou e as coisas aconteceram. Concluí meu curso médico, fui estudar psiquiatria. Depois que você forma em medicina, você faz a residência médica, que é um grande vestibulaEnem. A partir do resultado da prova, você escolhe um lugar pra ir. Escolhi o hospital mais antigo e tradicional da minha cidade e fui, feliz da vida. Lá conheci o Rafael, um outro médico que tinha passado em outro hospital, mas que ia ficar trabalhando comigo nos 9 primeiros meses. Não sei o que foi, mas ele chamou minha atenção logo de cara. Ele era lindo, gente boa, inteligente, engraçado, amava literatura, tocava violão... Já logo no início o feitiço se quebrou um pouco porque ele também era hetero topzera, gostava de ir em boates pagação e ouvir sertanejo. Devo dizer que de cara, o que me chamou a atenção foi a parte física, e não demorou muito para que eu estivesse conversando com ele todos os dias o dia todo. Ele sempre me esperava pra almoçar, me ligava pra saber se eu ia nas aulas, ficava me procurando pra conversar quando acabava o serviço. Ficamos muito próximos até que... Demos um beijo. Foi logo no primeiro mês de residência, estávamos completamente bêbados e eu já não tava aguentando de tesão. E então começou a surgir algo além da amizade.
Nessa altura do campeonato, meu namoro não estava lá essas coisas. Eu estava passando muito tempo ocupada com as coisas do meu serviço e ele estava ocupado com TCC, mestrado, artigo científico. Estávamos cada vez mais distantes um do outro, só que não queríamos reconhecer isso, porque tínhamos um carinho muito grande um pelo outro. As brigas eram constantes e eu ia desabafar com quem? Rafael. Passei a enxergar nele um porto seguro, um alguém pra quem eu podia correr caso precisasse. Desabafava sobre os problemas do meu namoro, questões familiares, inseguranças da vida. E a gente conversava cada vez mais.
Ficávamos quase sempre, pelo menos uma ou duas vezes por semana. Às vezes no carro dele, às vezes na casa dele, as vezes em algum lugar do hospital, mas sempre dávamos um jeito. E assim, eu cheguei num ponto do meu namoro em que não dava mais pra continuar. Terminei tudo e ele foi a primeira pessoa que eu contei.
Passamos a ficar cada vez mais próximos um do outro. O carinho e a admiração cresciam cada vez mais, mas ao mesmo tempo, não havia nenhuma conversa que indicasse que ele queria continuar comigo a longo prazo. Informação importante: ele nunca namorou antes. Por causa disso e da ausência de perspectiva futura, passei a viver o presente com ele. Eu amava passar tempo com ele. Ficávamos horas e horas a fio conversando. Cansei de "dormir" na casa dele: o dormir está entre aspas porque na verdade ficávamos conversando até altas horas de madrugada, até que um de nós apagasse primeiro.
Nesse ponto da história, todos os nossos amigos do trabalho sabiam e torciam por nós enquanto eu sentia que aquele relacionamento não tinha futuro. Nunca tinha conhecido nenhum amigo dele ou alguém da família. Eu dizia pra mim mesma que isso não significava nada. Há umas duas semanas atrás, um amigo em comum conversou com ele sobre o nosso relacionamento. Disse que ele deveria assumir os sentimentos dele e que provavelmente eu iria cobrá-lo depois do carnaval. Rafael falou pro nosso amigo que provavelmente a gente iria acabar namorando mesmo, porque já não tinha mais jeito. Um tempo depois, eu questionei Rafael sobre essa postura de enxergar o nosso namoro como uma consequência do tempo em que a gente tá junto e não do tanto que a gente se gosta. Na minha cabeça não faz sentido: namoros acontecem porque duas pessoas se gostam e pronto. Eu pedi a ele que me perguntasse as coisas ao invés de supor o que eu estava pensando. Ele chorou muito, disse que gostava demais de mim e que não queria me causar sofrimento. Isso foi numa segunda feira. Fiquei terça, quarta e quinta com o coração pesado e acabei chamando ele pra conversar na minha casa. Ele era a pessoa com quem eu mais conversava diariamente. Eu estava sentindo muita falta disso. Na quinta, ele chorou mais ainda, me contou que a faculdade foi horrível pra ele, que ele teve depressão, perdeu 12 quilos e se sentiu um lixo durante muito tempo. Que esse momento de agora que a gente tá vivendo era a primeira vez em que ele está genuinamente , que ele nunca tinha sofrido realmente na vida e que ele tinha medo de se envolver e mudar algo desse momento feliz. Foi muito sofrido pra ele. Ele pediu um tempo pra pensar, pra ver como seria a vida dele no segundo ano de residência e pra tentar entender como ele quer lidar comigo. Depois dessa chamada que eu dei nele, ele descobriu que gosta demais de mim e que não quer ficar comigo sem que seja algo sério. E aí eu fiquei com muuuuuita raiva. Não sei lidar com rejeição por parte dos outros. Eu inicialmente havia concordado em ser amiga dele, mas eu me senti rejeitada. Xinguei ele de todos os nomes que consegui, bem infantil mesmo, e bloqueei ele em todos os lugares. Na sexta feira de carnaval, xinguei mais ele, fiz ele sair de um bloquinho, pra voltar pra casa e conversar comigo. É isso.
Eu amo esse homem, gente. Eu não sei ainda se eu quero namorar, mas eu quero ficar junto com ele. O que eu faço? Eu tô com muita saudade. A gente se vê muito pouco agora.
submitted by psicopatola to desabafos [link] [comments]


2020.02.07 07:08 AlguemPorAi123 Parece que a vida tá passando.. e eu ficando

Tô com uma sensação ultimamente de que a vida tá passando e eu ficando pra trás de algumas formas, estou já com 36 anos ,namoro a 14 anos a mesma mulher (única experiência sexual de fato minha, já tive várias outras ficantes mas sem sexo de fato), ela mora em outra cidade e não topa morar comigo, amo ela, a gente se dá bem na cama etc ela mas.. tenho sentido falta de outras experiências, imaginando que poderia ser feliz tb com outras pessoas,l. até cogito trai-la mas não sei se vou me arrepender e colocar tudo a perder, por outro lado tenho medo de continuar e lá.na frente me sentir mais frustrado ainda com isso.
além disso, vejo minha vida profissional empacada.. sou bem formado numa faculdade top mas não exerço todo meu potencial em boa parte por conta do relacionamento, como disse, ela mora em outra cidade e pra gente se ver mais, optei por um serviço mais flexível mas que paga menos pra ter tempo de passar uns dias com ela. mas isso também me dá a sensação de tá ficando pra trás, deixando boas oportunidades de carreira em troca de tempo.
o mais engraçado de tudo isso, é que sou muito feliz com essa pessoa, tenho aprendido que tem coisas mais importantes que dinheiro etc e como o tempo livre eh valioso! porém a sensação de tá deixando muita coisa pra trás tb eh bem forte.
sei lá oq fazer..
submitted by AlguemPorAi123 to desabafos [link] [comments]


2019.10.01 05:44 Enigma_Machine1 Não aceito menos que a perfeição em mim mesmo

Eu sempre me cobrei demais em todas as áreas da minha vida. Como estudo e trabalho, sou constantemente avaliado. No meu trabalho eu literalmente ganho pela qualidade do meu serviço, em um sistema baseado em notas. Sempre que vou mal em algum dos dois, eu me cobro demais. Penso que falhei e que isso é inaceitável. Ultimamente, ao menos, tenho ido bem no trabalho e nos estudos, mesmo relutando muito em aceitar que as vezes sou bom no que eu faço. Eu sempre associei falar dos meus "feitos" como um sinal de arrogância, então quase sempre guardo situações pessoais positivas pra mim mesmo.
O problema é que essa postura inflexível está ficando cada vez mais evidente em outras áreas da minha vida. Está atrapalhando demais o meu namoro e parece ser um problema "bola de neve". Eu me coloco na posição de querer ser sempre 100% o tempo todo pra minha namorada. Não gosto da ideia de que nada falte pra ela em termos de amor, amizade, prazer, relaxamento... Tudo. E por conta disso acabei criando muito ciúme em cima disso. De amigos, situações, esse tipo de coisa. Na minha cabeça, se ela se diverte com outras pessoas, é pq eu não consegui prover isso pra ela de alguma forma. Eu me cobro demais por isso e fico cada vez pior. Eu entendo que isso é um grande egoísmo da minha parte, pois também me considero alguém que adora atenção, então não gosto de "dividir" a atenção dela com outras pessoas.
Também acabo me comparando aos outros toda hora, inclusive com ex-namorados. Morro de medo de ser "menos" do que eles foram e de que ela só esteja comigo por falta de opção melhor (mesmo que tudo indique que não é esse o caso - nunca falei dessa parte pra ela por considerar algo meio patético, mas eu faço essas comparações quase que involuntariamente). Acabo me cobrando demais por isso também. Tenho um pensamento muito extremo de que quero ser o melhor pra ela e nada menor do que isso é aceitável. Essa auto-cobrança tem me feito muito mal ultimamente e, sinceramente, não sei o que fazer pra mudar isso. Eu gostaria de mudar, mas não tenho as ferramentas.
Marquei uma consulta com psicólogo, mas sou tão cabeça-dura que imagino que vou relutar muito em ouvir o que ele diz. Sinto que estou preso em um ciclo vicioso e tóxico de pensamentos: crio expectativas irreais sobre mim; eventualmente a expectativa não é correspondida; eu sinto que falhei e me cobro até a exaustão por isso; eu procuro tentar ainda mais pra que a expectativa seja correspondida numa próxima vez - as vezes ela até pode ser, mas o esforço que eu faço me esgota; eu me comparo com os outros e tenho dificuldade em enxergar as minhas qualidades, só foco nos meus defeitos e tenho dificuldade em confiar no que a minha namorada diz sobre mim (tudo coisa da minha cabeça, claro, mas não sei quebrar esse ciclo). Tudo isso aliado a um egocentrismo. Tudo isso tem me corroído de dentro pra fora.
submitted by Enigma_Machine1 to desabafos [link] [comments]


2019.09.09 05:02 lipeeh_ Não sei o que acontece comigo atualmente.

Fala galera, tudo bom.
Vim aqui meio que desabafar um pouco sobre minha atual situação.
Bom eu consegui um excelente emprego em uma rede de comércios boa da minha região, e estava parado procurando serviço a cerca de 4 meses. Até aí tranquilo, fui contratado e hoje estou feliz com a real oportunidade que estou tendo, porém aconteceram algumas coisas nesse tempo que estão me deixando muito louco e não sei como agir em determinadas situações:
Esse emprego é em outra cidade a qual eu fui criado, por isso tive que mudar para ela e também aprender a viver sozinho e sem a ajuda de ninguém, já que sempre foi assim (real, sempre estive sozinho).
Beleza, experiência nova pra mim, e já me sinto confuso em minha primeira vivência.
O serviço é muito bom, conheci muitas pessoas boas as quais estou cercado nele, porém, ainda não adquiri uma certa confiança em nenhum deles sabe, eu as vezes penso que posso ser o melhor dessa área, mais ao mesmo tempo não quero deixar ninguém, tipo sozinho no serviço, sempre que posso auxílio e etc...
Mais sabe aquela maldita insegurança de confiar nas pessoas erradas, isso rodeia minha cabeça de uma tal maneira que estou sinceramente perdido.
No mais ainda pra ajudar, conheci uma garota muito legal no ambiente de trabalho, e isso está me fazendo dar uma nova oportunidade a amar alguém, sei lá, acho que é realmente essa a palavra, mais novamente o medo me toma conta por esse motivo, porque ambiente de trabalho e namoro nunca dão certo, pelo menos no meu ponto de vista...
Minha cabeça está realmente uma bagunça, não faço ideia do que fazer, e sabe quando você se sente diferente quando vai visitar os pais, tipo sentindo que aquela casa onde você sempre morou já não faz mais parte do seu cotidiano e que não te traz mais aquele conforto que tinha antigamente, então, está assim após a visita que fiz para eles nesse final de semana.
Queria deixar tudo o mais claro possível, para que esse desabafo fosse realmente um diário dos meus dias atuais. Espero que me entendam, obrigado desde já.
submitted by lipeeh_ to desabafos [link] [comments]


2019.07.08 03:38 Cine81 Tentei ajudar minha ex e sai como idiota

Acabamos o namoro lá pelos idos de abril. De início brigamos, mas depois nos acertamos e mantivemos a amizade com alguns encontros até que em junho ela foi morar no Canadá. Nos falávamos todos os dias, e apesar do afastamento ainda havia algum sentimento de ambas as partes mas eu já sentia a amizade azedando.
Um dia, propús a ela que ficássemos sem nos falar por um tempo. Sem brigas, apenas para ter um afastamento saudável. Ela aceitou, mas no dia seguinte estava falando comigo. Difícil resistir, eu gostava de compartilhar coisas e da voz dela. Ela passava por umas dificuldades e me contava que eu e a família era tudo o que ela tinha, então eu sempre apoiando, dando força quando ela pensava em desistir. Enfim. Continuei me doando mesmo sabendo que dali não sairiam frutos.
um certo dia ela me manda mensagem dizendo que estava se sentindo muito mal porquê estava desde o dia anterior sem comer pois não tinha sido paga (ela ta ralando de house cleaner por lá, e sendo explorada por outras brasileiras). Me senti mal com isso e ofereci de pagar um Uber eats pra ela (sim, vc pode pedir uber eats pra qqr lugar do mundo que tiver o serviço). Paguei e avisei: — ohh falta cinco minutos. Ta chegando. — ohh falta três minutos. Ta perto, se prepara. — chegou a bicicleta com a comida. Corre lá! e ela me responde: — Calma. vou calçar meu sapato!
Ela demorou uma data pra calçar o sapato e depois mais um tempo pra pegar o elevador. Enquanto ela estava nessa de descer me ligaram do restaurante e eu tentei arranhar um inglês pra explicar que ela estava indo buscar Quando chegou la embaixo. A entregadora tinha ido embora.
Fiquei puto mas segurei. Fiz minhas coisas, depois pensei: ela deve estar esfomeada. E ai pedi mais duas comidas, uma pra ela almoçar, outra pra ela guardar pra janta.
conversei com ela novamente e ela nao me explicou direito onde estava. Resultado, pedi o cancelamento. Levei um preju de 300 reais. Fiquei puto (tentei resolver com o uber eats mas eles não me ressarciram). Fiquei puto e falei: poxa, você dormiu no ponto. Eu estava preocupado se ia dar certo, pq ja tinha dado errado uma vez. Você vacilou e não pegou a comida duas vezes.
Enfim, parei de falar com ela e fui fazer o meu almoço. Quando peguei o celular novamente ela deixou uma mensagem mais ou menos assim:
— Olha, muito obrigada pela sua ajuda. Mesmo nervoso você ainda tenta me ajudar. Você é uma pessoa boa, mas não quero mais receber sua ajuda levando esporro. A situação já está constrangedora pra mim. Além disso veja meu lado. Não como há tantas horas, meu pai está no Brasil doente. Eu estou me sentindo mal. Vou desaparecer por um bom tempo.
E depois disso ela me deu um block no whatsapp, que era nosso meio de comunicação.
Olha, me senti muito magoado com o tratamento. Posso ter me estressado, mas eu não merecia um block desses, e ainda mais ter saído como se fosse alguém tentando humilhar ou fazer algo do tipo. Ela virou o jogo e fez parecer que eu estava fazendo tudo errado, mesmo que eu tenha agido por preocupação.
Enfim. To puto, magoado, ofendido, contrariado. Quase mandei uma mensagem desaforada pra ela dizendo o quanto ela é mimada e precisa amadurecer na vida. Mas decidi ficar calado e desaparecer pra sempre. Sinceramente, perdi a admiração por ela. Se ela voltar a falar comigo um dia vou ignorar e não quero mais conversa.
Mas afinal, será que to certo? Acho que fiz certo em não falar nada. A questão não é nem essa. Volta e meia começa a sentir raiva dela. Me sinto injuriado e isso ta me fazendo mal. Só que essa situação sempre me deixa pensando mais do que deveria e isso me deixa sem energias.
Update: Ontem ela me mandou um email comentando o curso online que eu criei sobre pré-produção para video. E mandou um depoimento dizendo agradecendo pelo curso e no fim mandou outro email em seguida dizendo que acha que isso é tudo.
submitted by Cine81 to desabafos [link] [comments]


2019.06.24 17:51 Amanda3exceler Como confirmar uma traição: dicas da Elite Detetives Elite Detetives

Nada machuca mais como a traição de um cônjuge. A maioria dos especialistas concorda que, se o seu cônjuge te trai, a melhor maneira de confirmar isso é contratando um detetive particular.
No entanto, antes de contratar um investigador, fazer uma bisbilhotagem por conta própria também é uma opção.
Dessa forma, a equipe da Elite Detetives separou algumas dicas que você pode usar para confirmar ou esclarecer suspeitas de traição.

Não quebre a lei

Antes de mais nada, a primeira dica do detetive particular da Elite é: não viole nenhuma lei. Procure aconselhamento jurídico antes de tomar qualquer medida que possa violar a privacidade do seu cônjuge. Se você violar a lei e seu casamento terminar mal, seu cônjuge poderá levá-lo a tribunal por suas ações ilegais.
Isso significa que algumas das dicas que você encontra na internet são totalmente ilegais para você. Isso inclui: hackear telefones, redes sociais, contas de e-mail, etc. Sim, você terá a prova do caso, mas estará se expondo a processos judiciais.

Verifique o telefone da pessoa

Os telefones celulares são alguns dos dispositivos mais pessoais que possuímos. Portanto, não é surpresa que seja usado por infiéis na condução do caso. E a maioria aprende a proteger seus telefones desde o início.

Alguns sinais de alerta:

Verifique o histórico do navegador

Se você tiver acesso legal ao computador que eles usam, verifique o histórico do navegador do cônjuge. Isso pode lhe dizer os sites e páginas que eles entram. Visitar sites de namoro e páginas de mídia social que eles mantêm em segredo é motivo de preocupação.
Se eles apagarem o histórico do navegador após o uso, você poderá verificar novamente em uma data posterior. Se eles têm o hábito de limpar o histórico do navegador, é uma boa aposta que eles estão escondendo algo.

Mantenha um diário

Monitore a atividade de seu cônjuge em seu diário. Estes podem incluir viagens ou atividade suspeita de cartão de crédito. Tome nota das viagens que demoraram mais do que o normal, como as idas à loja da esquina que agora levam algumas horas.
A maioria dos traidores usará dinheiro para financiar o caso, uma vez que deixa menos registros – uma alteração nos saques de dinheiro deve ser observada.

Esteja preparado para o que você encontrará

Embora você possa pensar que eles estão trapaceando, também é possível que eles tenham um vício, problema familiar ou outro problema que estão tentando manter em segredo. Tente manter a calma e não entre imediatamente em acusações sem uma prova definitiva.

Como contar com os serviços de detetives particulares de qualidade?

Conte com a Elite Detetives para investigar por você. Nossa equipe de detetives particulares irá resolver seu caso, trabalhamos com investigação conjugal, empresarial, familiar, entre outros.

Conheça a Elite Detetives: https://www.elitedetetives.com.b
submitted by Amanda3exceler to u/Amanda3exceler [link] [comments]


2019.06.24 17:49 Amanda3exceler 4 Segredos por trás dos bastidores dos detetives particulares Elite Detetives

Na cultura popular, os detetives particulares são constantemente retratados como foras-da-lei armados que obtêm resultados que a polícia não consegue derrubando portas e sacudindo suspeitos.
Na realidade, esses detetives lidam com fraudes de seguro, infidelidade e impropriedade corporativa, vasculhando diligentemente registros e rastreando pessoas de interesse, usando a experiência adquirida com históricos em aplicação da lei, prevenção de perdas ou militares.
Isso não significa que eles não precisam ocasionalmente se disfarçar ou pensar rápido quando são vistos. Confira estes 6 fatos menos conhecidos sobre como é ser um detetive particular, reunidos pela Elite Detetives!

Curiosidades sobre a rotina de um detetive particular

Socorro em namoros virtuais

O namoro on-line tem sido uma benção para os investigadores particulares: as pessoas entrelaçadas em romances na internet às vezes começam a ter suspeitas sobre se a pessoa com quem estão se correspondendo está dizendo a verdade.
Dessa forma, os serviços contratados são para investigar e confirmar se a pessoa é quem diz ser.

Detetives fazem xixi em garrafas

Esse trabalho não vive de glamour: um elemento-chave no trabalho de vigilância é não sair do carro estacionado e quando se trata de usar o banheiro, você precisa estar disposto a usar uma garrafinha.
Para o número dois? É melhor segurar!

Eles podem caçar coisas nas latas de lixo

Apesar de ter uma riqueza de informações disponíveis tanto online quanto em locais de registros públicos. Os detetives às vezes descobrem que o melhor local para achar evidências é uma lata de lixo.

Detetives podem descobrir quanto dinheiro você tem

Os investigadores podem obter acesso às suas contas bancárias. Não para administrar seu dinheiro, mas para descobrir o quanto tem na sua conta, principalmente em casos de ativos retidos durante um divórcio ou outro litígio.

Como contar com os serviços de detetives particulares de qualidade?

Conte com a Elite Detetives para investigar por você. Nossa equipe de detetives particulares irá resolver seu caso, trabalhamos com investigação conjugal, empresarial, familiar, entre outros.

Conheça a Elite Detetives: https://www.elitedetetives.com.b
submitted by Amanda3exceler to u/Amanda3exceler [link] [comments]


2019.06.09 05:02 anaovich Frustrações de uma jovem apaixonada e gado demais

Namoro (= me iludo) há quase dois anos. Eu tenho 16 anos e ele tem 24. Fora os problemas naturais do nosso relacionamento causados pela diferença de idade, surgiu uma nova barreira entre nós: ele tá viciado em um jogo de 20 anos atrás. Durante as férias dele, ele só jogou isso e não veio me ver sequer uma vez. Por sinal, todas as vezes que eu pergunto se ele virá me ver ele finge que tá dormindo e quando supostamente acorda não responde a minha pergunta. Quando ele chega do serviço, em vez de dedicar um tempo pra falar comigo, começa a jogar essa bosta desse jogo. Nos finais de semana, a mesma coisa. Sempre isso. Não conversamos mais pois no tempo livre ele só joga e assiste stream. Eu mando mensagens pra ele e ele me deixa completamente no vácuo pois está jogando. E eu consigo ver que ele tá jogando, porque o onlinezinho dele fica lá pra absolutamente qualquer pessoa apreciar.
Bom, quarta-feira eu mandei uma mensagem pra ele mais ou menos na hora que ele chega do serviço e ele não respondeu. Fui lá conferir se tava sendo ignorada e, sim, ele tava online no joguinho. Daí mandei “eu sei q vc está online e me ignorando” e ele teve um pequeno surto dizendo que eu o monitorava e etc. e eu monitoro, é verdade, ele sequer tá errado. Mas deve-se entender: eu não monitoraria se ele me desse o mínimo de atenção, dedicasse um tempo pra conversar comigo ou pra vir me ver, mas prefere gastar todo esse tempo livre com jogo e stream. Daí ele falou que tava se sentindo sufocado, que era melhor a gente dar um tempo e vlablabla e disse que me chamaria em mais ou menos 15 dias. Eu ia tentar aproveitar esses 15 dias pra DESISTIR desse homem que prefere um jogo do século passado a mim, mas ele aparentemente desistiu do tempo e me mandou mensagem quinta, sexta e hoje (sábado). Nas mensagens de hoje, disse que o tempo não tava adiantando muita coisa e eu disse que não sabia o que adiantaria, porque eu sou o tipo de pessoa que ama uma atençãozinha e que não quer dividir espaço na vida dele com JOGO. Daí ele falou que ia abrir mao do jogo. Pois bem, eu respondi as mensagens todas dele SUPER CARINHOSAMENTE e ele me ignorou. Ele me ignorou pra jogar depois de dizer que abriria mão do jogo pra falar comigo. Vocês têm noção disso? Agora ele tá fingindo que tá dormindo enquanto tá online e eu to achando toda essa situação EXTREMAMENTE PATÉTICA. Eu não sei o que fazer, meu Deus do céu, como pode uma pessoa ser tão cara de pau? Pq ele simplesmente não ME DIZ LOGO que quer ficar com o jogo? Eu to puta demais.
submitted by anaovich to desabafos [link] [comments]


2019.01.16 12:05 chairdeira Estresse demais no trabalho, tudo perfeito nos outros aspectos da vida.

Bom dia, num primeiro momento peço desculpas pelo desabafo, mas preciso expor aqui minha angustia e ansiedade.
Do ponto de vista de um espectador, minha vida vai muito bem. Assumi um cargo de encarregado na empresa com direito a aumento de salário e os negócios vão bem com bastante demanda pelos serviços ofertados na empresa. A família é saudável, sem problemas "de família". Meu namoro vai firme e forte, não tenho dúvidas de que estou com uma pessoa que amo e que me ama. Minha saúde está bem, frequento a academia e pratico exercícios físicos, me alimento de maneira bastante saudável.
Porém, ah porém. O estresse no trabalho está atingindo um nível que nunca passei antes. A alta demanda está fazendo com que eu seja cobrado e criticado por todas as partes; clientes, subordinados e chefia. Recentemente recebemos duas notificações judiciais, uma de um ex-funcionário (que ocupava meu cargo na empresa) e que abriu uma empresa concorrente (roubou informações sigilosas bem como prejudicou a empresa frente aos clientes nos últimos 6 meses em que esteve aqui) e a outra de um funcionário problemático que ainda está trabalhando aqui. Outros pontos que influenciam no estresse são ligações fora de hora (finais de semana, de manhã cedo e à noite), a falta de compaixão da chefia (exige muito de todos e desmerece quando as pessoas possuem problemas pessoais), os funcionários que não apresentam interesse em cooperar para o bom andamento do serviço (corpo mole, reclamações, etc) e o clima de chuva aqui da região atrapalha o andamento do serviço e causa mais imprevistos e correrias. O estresse só tem aumentado dia após dia.
O meu maior medo é o seguinte, tudo, para além do trabalho, está dando certo. Estou começando a ficar apavorado que no momento que eu tiver algum problema de saúde, algum desentendimento com família ou namorada, a coisa possa desandar e minha cabeça se perder de vez. Tenho medo de estar desabafando demais com a namorada e não expondo minha insatisfação dentro da empresa o suficiente, o que pode causar incômodos para todas as partes envolvidas. A ansiedade e o medo estão me fazendo ficar com cara de cu o dia todo, até mesmo com colegas e familiares que são gente boa comigo, meu papel dentro da empresa deveria ser de incentivar e manter uma boa moral, porém está difícil e sinto que cada vez mais estou me afundando e não vejo a possibilidade de boas notícias (a princípio está tudo dando certo) de levantarem meu ânimo. O que vai acontecer comigo quando algum outro aspecto da minha vida tiver algum problema? Será que vou colapsar? Entrar em crise? Fazer alguma merda?
Queridos amigos do brasil, alguém tem alguma sugestão de como lidar?
P.S. Se ajuda a entender a situação, a empresa é familiar (faço parte da família) e a chefia é parente.
não li nem lerei: estresse enorme no trabalho está me deixando mal da cabeça, estou preocupado com o que pode acontecer comigo.
submitted by chairdeira to brasil [link] [comments]


2019.01.04 07:18 Kilu4 Após a escuridão sempre vem o amanhecer

(EDIT PARA O TLDR) : Meu namoro de cerca de 1 ano e meio , acabou e só agora eu consegui perceber o quanto me fez mal estar nisso e quanta merda passei por ter me envolvido com alguém enquanto eu tinha 0 autoestima. Porém agora que notei tudo isso estou pronto pra fazer desse novo ano muito melhor e começarei isso me conhecendo
Acho que nunca estive mais esperançoso.
Meu 2018 foi maravilhoso, ganhei um aumento, consegui uma bolsa integral, fiz meu primeiro concurso público, até mesmo um cursinho de primeiros socorros eu me aventurei. Mas um único fato foi capaz de tirar toda minha vontade e alegria nesse final de ano, o fim do meu "namoro".
Esse foi o meu 1º namoro. Eu perdi o meu BV com ela, minha virgindade e ainda assim eu saio desse namoro com uma sensação de que eu não fui o bastante.
Quando olho pra trás, vejo coisas que me envergonham e ao mesmo me deixaram uma cicatriz tão grande que me fez me questionar o quão pouco eu signifiquei na vida dela ao mesmo tempo que me sinto um tanto inútil dado ao quanto ela significou pra mim.
Alguns desses casos que me marcaram foram os seguintes:
1º- Ela tinha um Ex namoro virtual, porém quando a gente tinha menos de 1 mês de namoro, o rapaz chamado Lucas (eu sei que nunca vou esquecer essa história, já que tem Lucas a cada 2 metros) voltou a conversar com ela. Ela se declarou para o garoto sobre o que sentia, e ele disse que não poderia corresponder a mesma coisa. Eu fiquei arrasado com isso, mas procurei perdoar já que ela foi honesta comigo. Porém o problema com esse cara se repetiu mais 3 vezes. Ela terminou e me bloqueou após ver uma foto dele no instagram, voltou a conversar escondida com ele ( tinhamos combinado de manter ele bloqueado após a vez do instagram ) e na 4ª vez nós terminamos quando ela mandou escolher " Aceitar e ficar de boa ou terminar ", acabei perdoando e hoje sequer sei o motivo de ter me rebaixado nesse estado, mas isso eu sei que é algo que vai ficar marcado para sempre e destruiu a confiança plena que eu sempre deixei claro que quis ter e me fez perdoar na 1ª vez.
2º- Eu estava disposto a pagar um curso preparatório para o ENEM, já que queria cursar História ao mesmo tempo que iria me manter perto dela. Pois bem, era legal quando não tinha ninguém olhando. Sério, a gente chegava a se tocar na VAN escondidos, mas quando alguém nos olhava ela simplesmente fingia que eu não era nada. Eu passei a acreditar que ela tinha vergonha de mim, já fazia cerca de 7 meses escondidos e ela não havia criado coragem pra falar com os pais ( nunca quis passar por cima da vontade dela nisso ) e no curso que só haviam pessoas estranhas ela fingia que mal me conhecia. Chegou a falar na minha cara para uma pessoa que só eramos conhecidos quando uma pessoa perguntou e eu fiquei me sentindo péssimo. Cheguei a conversar com ela sobre isso, mas não resolveu de nada e pouco tempo depois fui obrigado a sair do curso por conta de uns problemas em casa.
3º- Ela vivia falando que se eu fosse como um colega meu, que pegou bolsa no Mackenzie e arrumou um estagio ganhando 2.5k ela conseguiria me assumir pros pais, já que eles queriam alguém que tivesse fazendo faculdade. Até ai, eu ainda me forçava pra compreender. Porém depois de um tempo de sair do curso, eu consegui entrar na faculdade com bolsa integral no 2º semestre. Claro que não é nível Mackenzie e nunca será, mas ela passou um bom tempo me chamando de fracassado/acomodado por estar cursando administração em vez de ter estudado pra história. ( não tem história presencial aqui na cidade, e eu não tenho familia espalhada brasil a fora ou familia que vai dar 3k por mês pra ela sobreviver ), e meu serviço não ganha bem, longe disso. Mas não é algo que a familia dela teria preconceito como empacotador de supermercado. ( Sou monitor de cursos interativos, aqueles estilo Microway ou microlins da vida)
Salvo outras coisas aleatórias, como dizer que eu estraguei a vida da minha mãe por ter nascido, ou sempre terminar por motivos aleatórios, me bloquear e voltar dias depois fingindo que nada aconteceu, ou o que mais me irritava desde sempre, cobrar que eu perdoasse ela 100% das merdas que fazia, quando voltava sempre a fazer a mesma coisa.
Nesse nosso término, por exemplo, ela acusa que eu nunca " motivei " ela. Mano, eu via a menina praticamente a cada 2 meses com ela morando na minha cidade porque ela queria estudar pra medicina. Eu trabalhava algumas horas a mais pra juntar tempo o suficiente pra uma folga. Eu me preocupei com ela indo morar pra Foz do Iguaçu pra fazer medicina no Paraguai e cheguei a pedir um acordo pro meu chefe, pra poder mudar pra lá e ter a sensação de morar sozinho e já ia me ajudar na ansiedade de preocupação com ela com a única condição de falar com os pais dela.( sim, novembro de 2018 ainda não tinha dito ) Ela não quis falar, preferiu falar que não queria viver vida de casada ( ??? ) e que eu iria só atrapalhar a juventude dela. E inclusive usou essa minha preocupação pra falar que eu só queria ir por achar a menina uma retardada ou coisa assim. Detalhe: Não faziam 2 meses que ela passava por psiquiatra com remédio controlados, inclusive ela diz que surtou numa festa de final de ano aqui da empresa do pai dela na volta pra casa deles.
E sinceramente, eu olho pra tudo e isso e somente penso o quão errado isso tudo deu. Eu percebi o quanto eu aguentei e o quão mal eu me senti nessa relação simplesmente por insegurança e carência. Eu descobri que não sei o que gosto além de e-sports, futebol, animes, filmes e jogos em geral.
Eu só sei que quero mudar. Quero tentar me tornar uma pessoa melhor em geral, descobrir novos hobbys, perder a timidez e quem sabe até mesmo aprender a flertar. Tirei um tempo pra aprender a usar aqueles temas do /androidthemes (e consegui!), irei começar a aprender a configurar a camera manual do celular e depois a editar com o LightRoom. Com o dinheiro que guardei pra comprar nossa aliança de namoro fiz minha tatuagem de Fullmetal Alchemist, planejo fazer um cronograma pra estudar no mínimo 1h por dia assim que voltar meu serviço e eu descobrir se vai ter mudanças nos horários e principalmente vou valorizar ainda mais minha mãe e meus avós, pois eles sim são as pessoas que sempre estarão comigo e se orgulham de todas as minhas conquistas, mesmo que seja um emprego que ganha um salário mínimo ou uma bolsa de faculdade mesmo que não seja o que você sonhou.
Finalmente descobri que esse sofrimento todo foi por ter colocado ela acima de tudo e principalmente por não ter tido autoestima suficiente de olhar pra si mesmo naquele tempo todo e dizer " Você vale mais que isso " por que eu realmente valho mais!
Eu comecei do zero no meu emprego como um estagiário fudido cujo o próprio chefe me fala hoje em dia que tem um puta orgulho do que eu me tornei, pq ele achava que eu iria desistir em 1 mês e quando pedi demissão me ofereceram um aumento, e eu me senti importante e útil, além desse valor ter me ajudado absurdos em casa. Além disso eu fui MUITO bem no 1º semestre de ADM e até que gostei das primeiras matérias, o que me animou um monte por ser um curso " por fazer "
Eu posso ter passado meu final de ano um tanto depressivo enquanto assistia o glorioso Silvio Santos. Mas esse ano não. 2019 será o ano em que finalmente eu terei orgulho de mim mesmo.
submitted by Kilu4 to desabafos [link] [comments]


2017.12.24 02:13 Baafsk A família de vocês passam o natal "só"?

Tava TV e passou aqueles comerciais de natal em família e etc... Me deixou pensativo. E triste.
Então, esse ano vamos passar o natal só, de novo. Geralmente vem um irmão da pqp pra passar conosco, mas não vai ser o caso. Eu até gosto, minha família é bem "só", meus tios e tias passam com a respectiva família e não com os outros irmãos. Meu pai "não tem" irmão (todos são da Espanha, na vdd, e os brasileiros já falecidos...) e a família da minha mãe se resume a irmã que vive em Bragança Paulista e a família da minha outra tia (já falecida) e meu tio (que também faleceu), mas eles não ligam muito pra gente... E honestamente, eles odeiam São Paulo.
Quando chega essa época minha mãe fica triste, pois todos os meus irmãos tem a própria vida com as próprias esposas, meus primos também, e uma parte desses primos são malandros demais pra conviver, não criamos laços. Ela queria uma casa cheia, mas não acontece. Passamos em 5 pessoas (4 adultos e 1 criança). Eu e minha irmã gostamos. Mas as vezes noto que meu pai e minha mãe queria algo mais tradicional. Isso me chateia pois parece que o natal e ano novo é um incômodo, quando eu genuinamente gosto do nosso tempo 'só'. A gente assiste filmes, especiais de natal, ouve uma música, fazemos a ceia, damos o presente ao meu sobrinho, e depois dormimos. Não é uma festa, e sou feliz assim. Mas me chateia como meus pais querem mais, e me sinto um grande bosta, pois eu não sou de ter amizades (meus irmãos tem vários amigos, eu não sou o caso), meus namoros raramente dão em algo, tenho um serviço normal (salário mínimo, sem muita interação com colegas de trabalho)... Minha vida é simples e eu gosto dessa simplicidade, por mais boba e solitária que possa parecer. Eu gosto. E minha irmã também; Ela gosta dessa simplicidade da vida dela.
Poxa... Eu não queria criar um asco de natal e ano novo. Eu gosto tanto... Mas meus pais desejam e esperam tanto e eu não posso atender essas expectativas e o resto da família não tem interesse. Só porque meus irmãos tem a própria vida com as esposas e os filhos, o natal meu e da minha irmã tem de ser essa coisa depressiva, na visão deles.
Desculpa o desabafo. É bobo, mas tá bem difícil ultimamente.
submitted by Baafsk to brasil [link] [comments]


2017.07.12 12:59 AntonioMachado [2003] American Sociological Association - The Importance of Collecting Data and Doing Social Scientific Research on Race

Texto aqui. Principais pontos:
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
submitted by AntonioMachado to investigate_this [link] [comments]